dvd+cherry+2000+1987+dublado+e+legendado+em+portugues+sao+paulo+sp+brasil  6839A5 1 224x300 “Cherry 2000” – 25 anos depois

 

O ano é 2017, e como todo futuro que se preze, temos tecnologia avançada, grandes problemas ambientais e um cenário de desesperança, mesmo diante de coisas que só pensávamos existir na ficção. Bem, na verdade, trata-se de uma ficção, porque apesar dos problemas ambientais que nos preocupam e do que ainda pode vir, não temos alguns dos avanços tecnológicos mostrados no filme “Cherry2000”, lançado há 25 anos.

Tudo bem, não podemos chamar grandes monitores de tubo de avanço tecnológico do século XXI, frente às telas de LED e 3D que temos hoje em dia no nosso mundo real. Também não temos carros de três rodas cheios de estilo como o do filme, apenas máquinas ultra-velozes. E o pior, não temos mulheres robóticas desenvolvidas para atender a todas nossas vontades e satisfazer nossos desejos. E quando falo em desejos, me refiro a todos mesmo.

O maior produto desse mundo futuro mostrado na tela, como já dito, são as mulheres-robôs, criadas à perfeição de uma mulher natural, com a programação básica para atender à todas as funções de uma mulher de carne e osso: trabalhar, conversar, amar. É o caso do chassi Cherry 2000, construída para ser a companhia perfeita. Linda, carinhosa e atenciosa. Uma mulher perfeita de transistores, sistemas e muito calor, na pele e curvas da belíssima modelo Pamela Gidley.

 “Cherry 2000” – 25 anos depois

Cherry 2000 – Pamela Gidley

O proprietário de Cherry, Sam Treadwell (David Andrews) tem em Cherry mais do que um produto. Ele a ama e a considera como a esposa perfeita, que o ama da mesma forma. Depois de mais um dia de trabalho, Sam chega em sua casa, onde a “esposa” o aguarda para o jantar. Ela diz ter preparado seu prato favorito, que vemos ser um hambúrguer (que escolha pouco romântica para o momento!). Depois de um pouco de vinho, os dois começam a se amar, sem perceberem que a máquina de lavar estava ligada e jorrando água e sabão por todo lado. Péssima ideia.

cherry 19 300x169 “Cherry 2000” – 25 anos depois

Sam Treadwell – David Andrews

A coisa começa a esquentar tanto que Cherry simplesmente “pifa”. Após uma inspeção do “mecânico”, Sam descobre que todos os circuitos de Cherry se fundiram por ter entrado água demais. Fico pensando por onde teria entrado água… Apenas o chip de memória fora salvo, o que poderia manter toda a personalidade de Cherry, sendo apenas necessário encontrar um novo chassi. Este é o problema maior, já que o modelo é um tanto ultrapassado e mesmo apresentando ótimos rendimentos, se tornara difícil de ser encontrado.

Sam decide então procurar um guia que o levasse ao chamado cemitério de robôs para encontrar a nova Cherry. Então ele contrata os serviços de uma guia conhecida como Edith “E” Johnson, interpretada por Melanie Griffith, numa versão “bad ass”, ruiva e muito gata. Na minha opinião, é a melhor versão da atriz em toda sua carreira. Olhos verdes e cabelos vermelhos numa combinação sexy e explosiva, literalmente.

Cherry 2000 23 300x225 “Cherry 2000” – 25 anos depois

A guia Edith “E” Johnson – Melanie Griffith

Durante a viagem, os dois têm que enfrentar muitos perigos dignos de qualquer filme pós-apocalítico, como gangues de estrada, bandidos e arruaceiros, além de um líder de uma comunidade alternativa, metido a “natureba”, vivido pelo ator Tim Thomerson, um veterano de filmes de baixo orçamento, sempre em papeis cômicos e de caras durões, policiais ou bandidos. É ele quem controla a “Zona7”, local em que o cemitério de robôs se localiza.

cherry2k 2 300x224 “Cherry 2000” – 25 anos depois

Tim Thomerson é o vilão da história

Basicamente, esta é a história de “Cherry2000”, do diretor Steve De Jarnatt, aproveitando a onda de filmes sobre um futuro tecnológico num mundo devastado, ou seja, algo bem próximo do conceito “cyber punk”, mas não com tanta veemência. O filme, claramente baseado em Mad Max, busca aliar a ação e aventura, ao romance com algumas pitadas de comédia, mostrando a relação de um cara normal com uma guerreira sem temor, possibilitando espaço para uma discussão interessante em relação ao envolvimento de um cara com uma “mulher de mentira” ao mesmo tempo em que está junto com uma mulher de verdade.

O filme foi originalmente produzido em 1985, para que fosse lançado em agosto do ano seguinte, o que de fato aconteceu apenas em setembro de 1987. Não teve uma recepção muito grande pelo público, como muitos “clássicos de 87”, mas teve alguma aceitação em 88, já em vídeo.

189460b Bambola meccanica modello Cherry 2000 rich visore 300x171 “Cherry 2000” – 25 anos depois

Te cuida Rambo!

Exibido diversas vezes na “Sessão da Tarde”, como muitos dos “clássicos de 87”, “Cherry2000”não é muito lembrado pelo roteiro, nem pelas cenas de ação, que são muitas, mas fracas, tampouco pelas interpretações de seus atores, incluindo um jovem e desconhecido Lawrence Fishburne no papel de um negociador de prostitutas. Não faz parte da melhor safra de filmes de 87, mas é um clássico na minha memória afetiva, que assisti várias vezes, bem depois do seu ano de lançamento. Acho que a ruiva Johnson mexeu comigo. E confesso que ainda mexe. Fazer o que? Bons tempos em que o futuro era mais divertido, aventuresco e por que não dizer, mais sexy.

ez2objttj5cmmct “Cherry 2000” – 25 anos depois

A heroína sexy Johnson

Para escrever este texto, revi o filme hoje, que está disponível na íntegra no Youtube com sua dublagem original (como deve ser). Confesso que não teve o mesmo impacto de quando assisti na minha adolescência, mas foi bom rever Melanie Griffith em forma, como uma autêntica heroína de ação. Um filme divertido se for assistido de forma despretensiosa, sem compromisso com qualquer aspecto que não seja o entretenimento e a forma de ver como o futuro era previsto no final dos anos 80.

Cherry 2000 é mais bem apreciado por aqueles que viveram os anos 80 no limiar da adolescência e visto hoje, é um filme datado e envelhecido, mas uma boa experiência de volta no tempo, onde vamos para um futuro como só o passado sabia mostrar. E é a prova de que se pode ver coisas diferentes e se aprender algo num filme de baixo orçamento e pouco sucesso. Aprendi que se você vai fazer amor com sua esposa (real ou robótica), sempre tenha certeza de que o tanque ou a máquina de lavar estão vazios. Nunca se sabe.

Além disso, foi a primeira vez que vi um gato dentro de um garrafão de água. Pra que será que serve?

O que eu não sei ainda é quem inventou o vasoline? Aliás, nem sei o que é isso?

commission cherry 2000 by raultrevino d3e7kcs 194x300 “Cherry 2000” – 25 anos depois

Bela arte inspirada no filme