Confesso que nunca joguei Uncharted. Meu irmão jogou, eu assisti, mas só. Se me perguntarem do que se trata, eu responderei com toda a convicção “é Tomb Raider, só que com um menino em vez de uma peituda”. O jogo parece bem legal e tal, mas não me cativou. Eu simplesmente não me interessei – até ler o livro.

 [Leitor Nerd] Uncharted: O Quarto Labirinto

Em termos técnicos, Uncharted é uma série de jogos para Playstation 3 e PlayStation Vita, desenvolvido pela Naughty Dog e pela SCE Bend Studio. Uncharted: Golden Abyss é o mais recente titulo, lançado em dezembro de 2011, exclusivo para PlayStation Vita. A série é bastante premiada, Uncharted 2: Among Thieves ganhou o Game Of The Year pelo Video Game Awards – a maior premiação de jogos do mundo. Em 2011, Uncharted 3: Drake’s Deception foi indicado a melhor jogo do ano, mas acabou levando o prêmio de Melhores Gráficos e Melhor Jogo de Playstation 3. A jogabilidade é um ponto fortíssimo na série, principalmente por alternar entre aventura e ação, com elementos de parkour. O jogo também se destaca na questão de gráficos, sempre revolucionando. Uncharted 3: Drake’s Deception tem uma quantidade absurda de detalhes nos cenários – alguns dizem que o terceiro jogo explorou a capacidade do Playstation 3 ao máximo.

O autor do romance é Christopher Golden, escritor estadunidense especializado em “fantasia negra”. Já publicou dezenas de romances, alguns usando os universos dos heróis, como X-Men, Liga da Justiça, Demolidor e Hellboy, além de King Kong e Star Wars (pena que esses livros não sejam traduzidos para o português). Internacionalmente, ele é mais conhecido pela linha de romances da Buffy, a Caça-Vampiros. Ele também já roteirizou histórias em quadrinhos inéditas no Brasil, como Talent, Baltimore e The Sisterhood.

Ok! Romances são legais! Uncharted é legal! Christopher Golden é legal! Isso quer dizer que juntar os três seria legal? Seria e foi!

O Quarto Labirinto utiliza elementos muito úteis tanto nos games, quanto nos livros: ação, mistério e enredo de qualidade. As cenas de ação são dinâmicas e impactantes, envolvem tiroteios, socos, gargantas cortadas, capangas sujos, assassinos silenciosos e heróis saindo vivos por um fio – poucos livros narram boas cenas de ação e este o faz de modo exemplar. O mistério é capaz de agradar até fãs de Código da Vince, Golden junta elementos históricos e mitos das culturas grega, egípcia, mesopotâmica e até chinesa, interligando tudo numa trama genial, muito bem elaborada e consistente, onde cada detalhe vai sendo revelado aos poucos, formando um complexo quebra-cabeça. O enredo é muito bem construído, os personagens são carismáticos, a interação entre os protagonistas e os antagonistas não fica meramente no “bem contra o mal”, os vilões fazem os leitores ficarem realmente em dúvida a respeito das suas intenções e momentos de descrição, diálogo, explicação e ação são bem divididos num ritmo agradável. A história não tem muitas reviravoltas, mas o elementos de mistério e suspense tornam o clima atrativo o suficiente.

O romance começa com Nathan Drake, o mesmo protagonista dos jogos, dirigindo um jipe no meio da selva, fugindo de homens armados. Durante a ação, o narrador descreve que o herói estava resgatando um item valioso que pertencia a uma tribo, mas, no meio da missão, viu uma jovem amarrada e decidiu se arriscar a salvá-la também – só roubar o item não atrairia a atenção dos capangas, mas levar a refém junto sim. Este capítulo é um “prólogo”, servindo para ambientar o leitor naquilo que ele está lendo, apresentando a proposta do romance – ou seja, se não gostou, feche o livro agora, se gostou, que bom, já sabe o que te espera nas próximas páginas. Quando Nate volta para os Estados Unidos, seu amigo Victor Sullivan liga para ele e fala que precisam conversar urgentemente. Ao se encontrarem, Sully conta que um velho amigo fora assassinado e que a órfã, sua afilhada, suspeita de assassinato e deseja vingar o pai – é quando o real trama começa. Luka Hzujak, o arqueólogo assassinado, havia abandonado uma empresa que havia o contratado para pesquisar alguma coisa, mas ele largou o emprego e continuou a pesquisa por si só. Sua filha, Jada, suspeita que seu ex-contratante seja o mandante do crime, o que leva o trio a pesquisar o que que Luka havia descoberto e o que era tão importante para ser mantido em segredo. Ou seja, em poucas páginas, uma cena de ação envolvente seguida por uma situação de suspense que levam o leitor à fome por devorar o livro.

NathanDrakeU3 [Leitor Nerd] Uncharted: O Quarto Labirinto

Uncharted: O Quarto Labirinto é uma ótima oportunidade de abrir alguns caminhos na literatura no Brasil. Temos pouquíssimos romances baseados em jogos, filmes ou seriados traduzidos para nossa língua, sendo que essa temática é muito bem recebida lá fora (além de Uncharted, temos dois romances de Assassin’s Creed e mais o quê? acho que nada). Também é uma oportunidade para o trabalho de Christopher Golden ser mais reconhecido por aqui, de mais livros dele serem traduzidos para o português, tanto os baseados em quadrinhos e seriados, quanto os originais de sua mente brilhante. Além disso tudo, não podemos esquecer que os games também são valorizados graças aos livros. Uncharted entrou para a minha lista de jogos que irei comprar graças ao romance e, com certeza, eu não sou o único. É plausível até que aqueles que não curtem games passem a olhar com um pouquinho mais de curiosidade para os aparelhos eletrônicos depois de uma folheada numa obra dessas. A via sempre é de mão dupla.

Nunca havia lido um romance derivado de um jogo. À princípio, a proposta pode parecer apelativa, afinal, o sucesso de um leva às altas vendas do outro, mas O Quarto Labirinto não é meramente um romance oportunista de um modismo. O livro é bom! Lógico que fez mais sucesso graças ao jogo, mas é bom por si só, independente de qualquer outra mídia. Os fãs de Uncharted ficarão satisfeitos em ver Nathan Drake com seu jeitão rude e desajeitado explorando tumbas esquecidas e trocando tiros com todo tipo de vilão. Fãs de suspense e enigmas encontrarão uma charada milenar bem arquitetada e satisfatória. Fãs de literatura não precisam ter medo ou preconceito de livros baseados em jogos. Uncharted honra ambas as mídias.

Nota do site:
Se você gostou do texto e se interessou por esse livro adquira ele através do nosso link e contribua para o crescimento do site icon smile [Leitor Nerd] Uncharted: O Quarto Labirinto

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.