Crítica – Dezesseis Luas (Beautiful Creatures)

Que mané vampiro que nada… bruxa é que toca o terror.

poster


Após o final da Saga Crepúsculo, os seus fãs não podem reclamar que estão abandonados. Até porque trocamos uma franquia fraca e chata (nos cinemas, não nos livros) por uma franquia bem melhor e mais divertida.
Primeiro temos que dizer que é um filme para adolescentes apaixonadas, isso não tem como fugir, não espere ver um monte de badass tocando o terror que você vai apenas estar se enganando, o filme está sendo vendido justamente como um novo Crepúsculo, então quem for aos cinemas já sabe o que pode esperar. A grande novidade é que Dezesseis Luas é um filme superior a Crepúsculo (fãs indignadas agora!), não tem como não fazer uma comparação direta entre os dois filmes e principalmente entre os dois casais envolvidos, então vamos a elas:
Vampiros vs Bruxas

crepusculo_4
Vampiros – A principal vantagem dos vampiros seria a eternidade, mas eles têm algumas grandes desvantagens, eles queimam até a morte (ou brilham) no Sol e precisam se alimentar de sangue, e a não ser que eles fossem uns vampiros do bem e vivessem comendo bichinhos fofos da floresta, a raça do vampiro tende a ser uma das mais perseguidas pelos homens, afinal os humanos são a sua principal fonte de alimentação.

 

 

Dezesseis-Luas
Bruxas– Não são imortais como os vampiros, o tempo de vida de uma bruxa é o mesmo de um ser humano, porém eles não te problemas com a alimentação e, principalmente, com o Sol.

Poderes– Ai é que o bicho pega, da mesma forma que os vampiros possuem super poderes, sendo que cada vampiro tem um dom especial, em Dezesseis Luas também descobrimos que as bruxas possuem habilidades diferentes uma das outras, por mais que não pareça existir nenhuma bruxa com força acima do normal, os encantos que elas realizam tem força o suficiente para arremessar carros e jogar raios e trovões em cima de seus inimigos.
Resumindo, se fizerem um filme de porradaria entre Bruxas e Vampiros a coisa vai ficar equilibrada.

O casais

crepusculo_ casal
Edward e Bella: Ele é um porre, chato, e não passa carisma, Bela é uma garota problemática, chata e mesmo sabendo que o lobo não tem chance ainda gosta de ter o cachorrinho correndo atrás dela. Porém eles são exemplos e moldes de beleza (pelo menos é o que dizem por aí).

casal 16
Ethan e Lena (o casal de Dezesseis Luas): Estranhamente ele não é o que consideramos um galã, ele é um cara “boa pinta”, mas abaixo dos padrões hollywoodianos, parece que a ideia não era colocar no filme mais um rostinho bonitinho e sim um personagem carismático e com uma boa pegada de humor. A mesma coisa ocorre com a garota, não colocaram aquelas modelos magérrimas e sem expressão no rosto, ela não é a mais bonita do filme, na verdade o filme é recheado de beldades entre as bruxas e humanos e Lena não está entre elas, mas ela também tem carisma, por mais que seja uma garota nova ela dá a impressão que já está decidida e sabe o que quer.

Resumindo, muito dificilmente o publico vai pegar “birra” desse novo casal, como ocorreu com o Crepúsculo, lembrando que na saga dos vampiros, nem os personagens do casal ajudavam e muito menos os atores escolhidos para fazer o casal. Em Dezesseis Luas não teremos interpretações dignas de Oscar, mas eles também não comprometem o filme.

Considerações finais:
Dezesseis Luas tem um publico especifico, da mesma forma que Crepúsculo também tinha, porém mesmo quem não é fã de Crepúsculo pode assistir numa boa Dezesseis Luas e provavelmente vai gostar. É uma historia de amor? Sim, mas o filme não fica só nisso e a trama se desenrola com muito mais rapidez do que no filme dos vampiros. Acho que os produtores de Dezesseis Luas aprenderam muitas coisas observando a Saga Crepúsculo e decidiram não cometer os mesmos erros.

Minha nota para Dezesseis Luas é 8,5 de 10

Participe da nossa promoção e concorra a ingressos para esse filme (CLIQUE AQUI)

Sinopse oficial:

Cidade de Gatlin, na Carolina do Sul, Estados Unidos. Ethan Wate (Alden Ehrenreich) é um estudante do terceiro ano do colegial, que não vê a hora de sair do local. Ele considera Gatlin uma cidade pacata demais, onde nada de interessante acontece, mas se vê preso ao local por ter que cuidar de seu pai, que não deixa o quarto desde que a esposa faleceu em um acidente de carro, um ano antes. Já há alguns meses Ethan é atormentado por sonhos misteriosos, onde vê uma garota desconhecida. Um dia, ele a encontra em sua sala de aula. Trata-se de Lena Duchannes (Alice Englert), uma jovem de 15 anos que está morando com o tio, Macon Ravenwood (Jeremy Irons), descendente da família que fundou Gatlin. O problema é que Macon e seus familiares têm fama de serem satanistas, o que faz com que boa parte da população da cidade se volte contra eles. Não demora muito para que Ethan se interesse por Lena, sem saber que ela e os integrantes de sua família possuem poderes. Eles precisarão lutar pelo amor que sentem um pelo outro, especialmente devido à uma maldição que assombra a união.

 

Trailer:

Quadro “Saindo do Cinema”

Galeria de fotos:

16-2

 

16-3

 

 

16-4

 

 

16-5

 

 

16-6

 

 

16-7

 

 

16-8

 

 

16-9

 

 

16-10

 

 

casal2

 

O Filmes e Games assistiu esse filme a convite da Paris Filmes.

Curta a Fan page e siga o twitter da Paris Filmes para saber mais sobre seus lançamentos e promoções.

 

Leandro Vallina
Formado em Comunicação Social. Tem como prioridade na vida cuidar da filha, jogar videogame, alimentar e passear com os cachorros, alimentar e passear com a esposa e jogar mais um pouco de videogame.

Leandro Vallina publicou 1212 posts. Veja outros.

Publicidade