Crítica – Guerra Mundial Z

Não precisa ser fã de zumbis para gostar de Guerra Mundial Z, até por que não há zumbis neste filme.

world_war_z-wide

O mais novo filme de Brad Pitt (que além de protagonista também é produtor do longa) e do diretor Marc Forster (de “Mais estranho que a ficção”) é na realidade um filme de ação, que mostra como ficaria o mundo depois de uma infestação de uma variável altamente  agressiva do vírus da raiva que transforma humanos em seres violentos e velozes.

world-war-z-f-85558O maior diferencial em relação aos zumbis na realidade não é a causa e sim o comportamento (ou motivação) dos infectados. Eles não atacam para comer, eles atacam para morder e o fazem de forma absolutamente descontrolada. Uma vez que a vitima tenha sido mordida e o vírus transmitido, eles partem em busca da próxima deixando o novo “zumbi” prontinho pra ação quase que instantaneamente.

Esse comportamento do vírus que domina a mente dos humanos em busca apenas de se espalhar o mais rápido possível  é que faz a infestação ser tão avassaladora e acaba sendo o grande diferencial do filme. Quem viu os trailers já notou o quanto é divertido ver milhares de corpos correndo e se empilhando feito loucos atrás das vitimas.

url-15

Sem dúvidas esse comportamento, apoiado por excelentes efeitos especiais, é a coisa mais legal do filme. Ver os seres descendo escadas rolando, ou ultrapassando muros na base do empilhamento como se fossem uma grande corrente de um liquido imparável é divertidíssimo e arrepiante.

O único ponto negativo fica por conta da ausência quase total de sangue e gore. A maioria das cenas fortes acontecem “off-screen” por uma opção dos produtores a fim de evitar a censura 18 anos, o que certamente resultaria em menor bilheteria.

Pitt está excelente como sempre e praticamente é o único destaque no elenco formado por grandes desconhecidos (dizem que Mattew Fox, de “Lost”, está no filme, mas a maioria das cenas dele não entraram no corte final).

World-War-Z-Helicopter

Inclusive a atriz que interpreta a esposa pesarosa é Mireille Enos, uma desconhecida inacreditavelmente feia, achei ela a cara do Peter Weller (o Murphy de “Robocop”) e não conseguia parar de pensar que mesmo entre as contaminadas, o Brad Pitt arrumaria coisa melhor.

Mireille-Enos-in-World-War-Z-2013-Movie-Image1

Corra Brad! Corra e não olhe para trás!

Mas a ausência total de mulheres gostosas não tira nem um pouco o brilho do filme, que é ação do primeiro ao último minuto. Não temos aquela primeira meia hora de apresentação do background dos personagens, o filme já começa com o bicho pegando e vai assim até o final sem deixar o expectador ter tempo de respirar.

world-war-zAs cenas de ação são absurdamente tensas, a todo momento você pensa se realmente terão coragem de matar o protagonista até que…(hehe…não vou dizer aqui) e são intercaladas apenas com cenas de pura agonia como pessoas mordidas sendo obrigadas a se mutilar ou se matar ou a já clássica cena da asmática que perdeu sua bombinha, utilizada pela primeira vez no clássico “A Mão Que Balança o Berço” e repetida centenas de vezes desde então.

Enfim, Guerra mundial Z pode até entrar em uma relação de filmes de zumbis devido à natureza morta-viva das criaturas, mas é na verdade um filme de ação, muita ação, que vai divertir qualquer fã de aventura, seja ele discípulo de Romero ou não.

Nota do Autor: 8
Nota do público:(3 votos) 9.6
Dê a sua nota:

Trailer HD legendado:

 

Mau Franco
Formado em ciências da computação e pós-graduado em administração e gerenciamento de projetos, trabalha 9 horas por dia em uma grande empresa. O pouco tempo que lhe resta é passado com sua esposa, filhos, cachorros, alguns poucos games e algumas centenas de filmes.

Mau Franco publicou 290 posts. Veja outros.

Publicidade