[Game Design] Beat’em Up!!!

Beat’em up é um gênero de games que fez muito sucesso nos fliperamas e nos consoles de 8 e 16 bits. Eram jogos de porrada – sim, essa definição basta! Num beat’em up, você anda pela tela e dá porrada nos inimigos que vierem pelo caminho. Simples e divertido.

Street of Rage

Entre os maiores clássicos, temos Street of Rage – provavelmente um dos principais referênciais de beat’em up de todos os tempos, lançado em 1990 pela Sega para Mega Drive -, Final Fight – produzido pela Capcom americana para ser um “Street Fighter de ação”, posteriormente modificado para ser um jogo totalmente original -, Double Dragon – um dos mais antigos, sendo inspiração para praticamente todos os jogos do gênero – e Golden Axe – outro da Sega, se destacou por sair da ambientalização em cidades grandes da década de 80 para um mundo de fantasia com magia e monstros, estilo Conan.

double_dragon_ii_the_revenge

O beat’em up funciona pela sua simplicidade. Quem não gosta de um filme de pancadaria pura, estilo Os Mercenários, de vez em quando? Tudo que precisamos é de uma premissa raza p’ra trocarmos socos e chutes com algumas dúzias de bandidos! Até os comandos são simples, andar, bater, pular e, às vezes, um golpe especial. Isso era o suficiente para gastarmos toneladas de fichas no fliperama – lembro-me do Knights of the Round que sempre jogava quando era pirralho. Beat’em ups juntavam a dose certa de ação e simplicidade e geravam horas e horas de diversão.

knights_a

Apesar do gênero ter praticamente saído de uso com a ascenção dos jogos em 3D – exceto pela recente onda de downloads dos clássicos para os consoles atuais -, o beat’em up influenciou de forma fundamental os jogos de ação das gerações mais recentes. God of War e Devil May Cry – ambos nascidos no Playstation 2 -, por exemplo, são jogos de ação pura em que você derrota inimigos na maior parte do tempo – por mais que existam alguns quebra-cabeças em algumas fases, o foco ainda é dar porrada. Scott Pilgrim é um jogo “retro” da Ubisoft: com gráficos em pixel art e mecânica puramente beat’em up, ele não inova em nada, apenas reaproveita todos os elementos consagrados do gênero num jogo muito divertido, bem construído e totalmente saudosista.

dmc-devil-may-cry-screenshot-11-01-2013-4

Jogos simples funcionam. Não precisamos de grandes revoluções nos games para nos divertirmos, as revoluções são necessárias, mas a essência da diversão simples também! Beat’em up é um gênero para quem ama a pancadaria e aceita desafios árduos para derrotar ondas de inimigos e chefões apelões para zerar um jogo. Nós não precisamos reinventar a roda, meus amigos, nós só precisamos ir p’ra roda punk!

scott-pilgrim-vs-the-world-the-game-20100614073240042

Bernardo Stamato
Vencedor do Concurso Cultura "Eu, Criatura" da Devir Livraria, formado em Letras, professor de Game Design e 3D Fundamental na empresa Seven Game e escritor (http://entrevirtudesevicios.blogspot.com/). Quando dá tempo para respirar, lê e joga PS3 também.

Bernardo Stamato publicou 107 posts. Veja outros.

Publicidade