Mighty Final Fight [NEStalgia]

“A melhor versão de Final Fight para os consoles!”

Mighty_Final_Fight_-_Portada

Sabe quem deu essa afirmação?

Bruno Carvalho do 99Vidas, na participação super especial que teve no nosso FGcast NES (AQUI) e eu concordo com ele, na verdade já concordei lá no podcast. Mighty Final Fight é uma versão magnifica do clássico dos arcades e será lembrada na nossa coluna NEStalgia.

mfin-tit

O jogo e a história:

Um game de beat ‘n up no melhor estilo Double Dragon, onde os seus personagens são retratados no estilo “super deformed”. A historia do game é a mesma contada nos Arcades, o filha do prefeito Haggar é sequestrada e ele, junto com o namorado da filha e seu amigo, saem em busca do resgate.

m1

No game você pode escolher um dos três personagens, mas infelizmente não é possível jogar com dois players simultaneamente. Talvez da mesma forma que ocorreu com a primeira versão do Snes, a capacidade do cartucho não foi suficiente para incluir essa modalidade

mig23

Gráficos e Som:

A animação dos personagens está magnifica, desde os golpes as expressões faciais. Os cenários são muito coloridos e bem detalhados, mas nada muito diferente dos games beat ‘n up da época. As fases são as mesmas do arcade e em algumas delas o nível de proximidade ao original chega a ser surpreendente (é claro, em suas devidas proporções), este foi um dos últimos jogos a ser lançado para o NES e o capricho com os gráficos foi ao extremo.

mighty-final-fight

O som também é de boa qualidade, tenta seguir a trilha sonora do arcade com um tom mais voltado para animação e mesmo sendo reproduzido na característica sonoridade “Midi” que o console suporta, a trilha é divertida e em algumas partes do jogo até empolgante.

Jogabilidade e dificuldade:

Os controles do NES estão extremamente precisos, acho que é o melhor jogo de luta em questão de resposta do joystick que o NES já teve, muitas vezes eu já ouvi reclamações do delay e lentidão de bons jogos de luta, como o tão citado Double Dragon, mas em Final Fight isso não ocorre.

Mighty Final Fight (J)

Outro grande diferencial é a evolução dos personagens. Colocaram no jogo um aspecto de RPG onde a cada um que você derrota um ponto é conquistado e a cada número de pontos adquiridos você poderá evoluir o seu herói, deixando seus golpes especiais mais potentes e aumentando a sua barra de energia. Isso faz uma grande diferença para o game que não é fácil, mas diríamos que ele é menos “papa fichas” do que o arcade.

Diversão:

Com certeza o fator RPG é um dos motivos do alto fator de diversão desse game, mas a sua fácil jogabilidade e respostas breves no joystick faz com que esse game não deixe o jogador com raiva ou reclamando que o seu “boneco” é lento. Os belos gráficos ajudam a harmonizar a incrível experiência com o jogo. Com certeza Mighty Final Fight está no Top Ten NES de muitos jogadores, e com toda a razão. Se você mudou dos 8 bits para os 16 e não jogou esse game, vale a pena resgata-lo no emulador, afinal perdeu um dos melhores jogos do NES.

Mighty Final Fight (U)-8

Minha nota para Mighty Final Fight é 9,5 de 10. Só não leva um 10 por que não dava pra jogar de dois players simultaneamente.

Gameplay:

 

Se você curte jogos antigos, visite as colunas Botão Solitário (Atari), NEStalgia (Nes) e 16 Bits Fever (Mega/Snes).

E ouça aos podcast que gravamos desses consoles clássicos.

FGcast Atari AQUI.

FGcast Mega Drive AQUI.

FGcast Nintendinho AQUI.

Até a próxima e bons jogos.

Fui pro game…

Leandro Vallina
Formado em Comunicação Social. Tem como prioridade na vida cuidar da filha, jogar videogame, alimentar e passear com os cachorros, alimentar e passear com a esposa e jogar mais um pouco de videogame.

Leandro Vallina publicou 1040 posts. Veja outros.

Publicidade

  • mau_franco

    Realmente parece ter usado 110% da capacidade do Nintendinho…
    Mas fico com aquela impressão que é mais do mesmo…
    Precisavam usar a mesma história do Final Fight? Cadê a criatividade pessoal?
    Afinal, é só achar um motivo pra um personagem sair andando e batendo em todo mundo.

  • Aldo Luiz Cavalcanti Silva

    eu comprei esse cartucho em 1993 e adorava pois eu tinha chance de sentir a emoção do Arcade dentro da minha casa… e eu garanto que é um excelente jogo 😀