Mirror’s Edge – [IDKFA]

Mirror’s Edge é um dos jogos que estão naquele velho paradigma de AME ou ODEIE. Simples assim. Este foi o primeiro jogo da categoria FPS que na verdade é um simulador de Parkour que mistura um pouco de tiro e muita tontura para o jogador. É isso mesmo leitor, se você tem medo de altura, não se preocupe, este é o jogo ideal para não enfrentar os seus medos, porque você pula de prédio para prédio a alturas alucinantes.

Antes falar um pouco mais do jogo em si, falemos um pouco sobre o enredo:

Em um futuro próximo, com a necessidade de expansão, o governo de uma cidade optou por um sistema mais rígido para combater o crime e a desorganização. O projeto de lei conhecido como Programa de Cidadania, visava garantir uma melhor qualidade de vida, oferecendo soluções para diversos problemas de desordem enfrentados pela cidade. Para que o programa fosse instaurado, alguns direitos da população tinham de ser rechaçados como privacidade e liberdade de expressão dos meios de comunicação social.

As medidas trouxeram melhorias consideráveis resolvendo problemas crônicos como o fumo, obesidade, criminalidade, no entanto essa vigilância severa começou a podar o livre arbítrio da população e se tornou um regime totalitarista. Muitos daqueles que desejavam um estilo de vida alternativo, além do que a cidade podia oferecer, foram suprimidos. Um contra movimento chamado “Libertas” surgiu para desafiar as regras impostas pelo programa que ditava a forma como as pessoas deveriam viver.

O movimento era financiado por alguns empresários e tinha objetivo de pacificamente protestar contra as medidas tomadas pelo governo. Com o tempo, sem gerar resultados, as manifestações tornaram-se mais agressivas, e passaram de meros protestos e passeatas para motins ilegais, esses motins foram violentamente reprimidos até qualquer contra movimento não existir mais.

A cidade gradualmente foi reestruturada para garantir a segurança pública e permitir que o Programa de Cidadania se estabeleça por completo. Construções antigas deram lugar a fenômenos arquitetônicos e a “Cidade Nova” se ergueu, as pequenas áreas remanescentes em ligeiro declínio da cidade original tornaram-se conhecidas como Cidade Velha, transformando-se em guetos em ruínas e ruas abandonadas sem os benefícios encontrados nos bairros da Cidade Nova.

Alguns que ainda se opunham ao regime formaram resistências e gangues, e sendo monitorados de perto, usam de mensageiros para se comunicar. Os mensageiros são usados ​​também por pessoas influentes que participam de mercados ilegais. Muitas vezes algumas mensagens são transportadas por mais de um mensageiro, que revezam uns com os outros para impedir que a pessoa com a mensagem seja pego. Esses mensageiros são chamados de “Runners” (corredores). Como são caçados pela polícia nas ruas, usam formas não convencionais para transportar as mensagens e pacotes, pulando de telhado em telhado dos altos edifícios da cidade exigindo inúmeras acrobacias e perigosas manobras, no entanto, o governo da cidade vem fazendo progresso na repressão deste “tráfico ilegal de informações”. O conteúdo dos pacotes não é conhecido pelos mensageiros e estes são pagos para apenas entregar sem questionar.

Bom, o enredo é isso tudo mesmo. Ou era porque eu pulava parte das cutscenes, ou porque as mesmas não falavam muita coisa, não esperava encontrar um texto tão grande assim falando da história do jogo e até que é muita coisa para um FPS que não é um FPS, na verdade são as exceções que temos por aí com FPS com enredo, entre eles destaco Deus Ex: Human Revolution.

Sim, agora você consegue ver os pés do personagem!

Sim, agora você consegue ver os pés do personagem!

Com o roteiro bem amarrado e direito, vamos ao que importa: a jogabilidade. Se você sempre ficou impressionado com o pessoal que praticava o Parkour e queria saber como é, mas nunca teve disposição moral, física ou mental para fazê-lo, neste jogo você vai poder praticar o esporte sem maiores perigos. A jogabilidade do mesmo é bem fluída e em raras partes o jogador fica travado, mas quando fica é mais por conta da inabilidade do jogador com o controle (eu) do que do jogo propriamente dito, se bem que tem alguns comandos que…

Ainda assim, com estes pequenos problemas, o jogo não é atrapalhado como um todo já que a sua trilha sonora ajuda bastante na imersão do jogador para aquele mundo que está sendo mostrado aos seus olhos, e que mundo. Não tem sabão Omo que chegue aos pés da brancura que este jogo lhe dá.

Você também pode dar porrada se quiser.

Você também pode dar porrada se quiser.

Se você observar algo destacadamente de uma cor diferente é porque você vai passar por ali e usar o obstáculo para fazer alguma macacada, mas o resto é de uma branquidão que nenhum dentista poderia dar num tratamento.

No jogo ainda existe uma modalidade de terrenos com um tempo contado, onde você testa suas habilidades de quão bom você é neste Parkour contra os outros jogadores espalhados pelo mundo todo e se frustrar o quão ruim você é!

O jogo saiu para PS3, XBoX 360, PC (Steam e Origin), iOS e Windows Phone.

Daniel G. Fernandes
Este ser é um viciado em games, sejam de consoles, sejam de PC's e tem uma paixão arrebatadora em Tecnologia, aficcionado em filmes dos anos 1980 e 1990, ele pode não se lembrar o nome do diretor, do filme ou do ator, mas quando tem opinião ele fala mesmo! SegaManiaco de Coração, ele também bate ponto nos sites Gamehall, Marketing & Games, Blast Processing, Brazuca Gamer e Comunidade Mega Drive!

Daniel G. Fernandes publicou 49 posts. Veja outros.

Publicidade