Bad Dudes VS Dragon Ninja – Análise e Gameplay [NEStalgia]

E quando o Double Dragon está alugado?

b3

Nos anos 80, os jogadores que acordavam tarde no sábado e não chegavam nas locadoras de games antes do meio dia, corriam o grande risco de encontrar a locadora vazia (de bons jogos) ou pior… só com os games encalhados.

Foi assim que eu conheci Bad Dudes VS Dragon Ninja e irei usa-lo para preencher a coluna NEStalgia desta semana.

b1

 

Game e história:

O presidente dos EUA foi sequestrado por ninjas (dragões??) e você e seu irmão são dois Caras Maus (Bad Dudes) a ponto de querer salvar o presidente. Tá legal, a história do game não importa e sim que você tem que sair descendo a porrada nos ninjas que aparecem na tela.

b2

O game que nasceu nos Arcades em 1988 e foi convertido para o NES em 1989 é bem no estilo Double Dragon, um tradicional jogo de briga de rua onde seu personagem tem que sair distribuindo socos e chutes nos inimigos que aparecem na tela, a diferença em relação ao DD é que você só conseguirá andar em dois níveis, uma que será o solo (chão) e outro que é sempre um nível superior como fachadas de prédios ou em cima das carretas dos caminhões.

Gráfico e som:

O jogo até que é bem feito, com cenários de prédios e automóveis bem definidos, outro grande destaque é o efeito paralaxe (aquele em que o fundo se move em velocidade diferente). Esse efeito já pode ser visto na segunda fase do game (veja no VÍDEO).

b4

A trilha sonora não é irritante, sendo que as músicas são bem diferente uma das outras durante as fases, e outra grande novidade na época foi do efeito sonoro que é colocado no final de cada fase, uma voz sintetizada dizendo “I’am Bad!”.

Jogabilidade e desafio:

É aqui que tudo vai por água abaixo, afinal, com bons gráficos e uma trilha bacaninha por que o jogo não é um estouro? Simplesmente porque o jogador fica com raiva do game, já que o seu personagem se locomove de forma tão lenta que você vai sentir uns 2 segundos de delay entre mexer no joystick e o resultado aparecer na tela, isso vai fazer com que você perca muita energia, já que qualquer esbarrão tira um ponto da sua barra de life. Você só tem socos e chutes a sua disposição, mas segurando o botão de soco por alguns segundos você carrega um “super soco” que dobra o seu poder de ataque, mas ao ficar carregando esse soco, você irá ficar vulnerável aos golpes dos inimigos.

Mesmo com continues o game fica extremamente difícil de ser terminado, não se preocupe que os seus reflexos e coordenação motora estão excelentes, é o “bonequinho” que não responde a altura.

b5

 

Conclusão:

Ame ou odeie!! Bad Dudes tem uma pouco dessa relação com os jogadores que ousaram testar o game. Uma dificuldade extrema por causa da pouca agilidade do personagem vai fazer apenas os mais aficionados (malucos) entrarem noite adentro para tentar concluir o jogo.

Particularmente eu tive uma noite de sábado dessas, justamente quando não consegui alugar Double Dragon 3 e nem Mighty Final Fight naquele final de semana. Joguei tanto que o game passou a ficar desafiador e “bacaninha”.

Nota do Autor: 6.5
Nota do público:(1 voto) 0
Dê a sua nota:

Dica para 63 vidas:

Na tela de abertura (tela título) pressione no controle 2: B, A, Baixo, Cima, Baixo, Cima e pressione Start no controle 1.

Gameplay:

 

Se você curte jogos antigos, visite as colunas Botão Solitário (Atari), NEStalgia (Nes) e 16 Bits Fever (Mega/Snes).

E ouça os podcasts que gravamos desses consoles clássicos.

FGcast Atari AQUI.

Capa

FGcast Mega Drive AQUI.

25-1

FGcast Nintendinho AQUI.

fgcast_fanpage nes

FGcast Resident Evil AQUI.

FGCast-b

FGcast Exclusivos Sony AQUI.

banner31-G

FGcast Snes AQUI.

FGCast55

FGcast PS2 AQUI

facebook-e-twitter-fgcast-65

Até a próxima e bons jogos.

Fui pro game…

Leandro Vallina
Formado em Comunicação Social. Tem como prioridade na vida cuidar da filha, jogar videogame, alimentar e passear com os cachorros, alimentar e passear com a esposa e jogar mais um pouco de videogame.

Leandro Vallina publicou 1058 posts. Veja outros.

Publicidade

  • Tá aí, maneiro. Não conhecia esse.