Olhos da Justiça (Secret in Their Eyes) – Crítica

É não é que temos uma boa surpresa?

423539.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Ray (Chiwetel Ejiofor, Z for Zachariah) é um investigador do FBI em Los Angeles junto de sua parceira Jess (Julia Roberts, Álbum de Família) e da nova procuradora local, Claire (Nicole Kidman, Antes de Dormir). Porém, a vida do trio é destruída quando recebem o chamado de um assassinato, e ao chegarem no local, a vítima é filha de Jess. No entanto, o caso acaba por não ser solucionado, perturbando a vida dos três durante 13 anos, até o dia em que Ray, ainda investigando o caso por conta, descobre um suspeito parecido com o suposto assassino. Agora, ele busca solucionar o caso até descobrir a verdade sobre tudo isso.

Existem dois tipos de remake: aquele em que o diretor pega uma história existente e adapta com sua visão, fazendo uma releitura, o que foi o caso de Robocop de Padilha, Os Infiltrados de Scorsese e até mesmo o magnífico Scarface de Brian de Palma; e também temos os remakes que apenas querem americanizar um filme estrangeiro como foi o caso de O Chamado, Quarentena, Insonia, Oldboy – Dias de Vingança e, querendo ou não, Olhos da Justiça.

Olhos da Justiça se baseia no filme argentino O Segredo dos Seus Olhos, vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro e no quesito de remakes “americanizadores”, é um dos melhores que já vi. Claro que não posso dar crédito pela história, já que ela é extremamente fiel ao original, com exceção de algumas adaptações, mas mesmo assim consegue criar uma trama policial excelente, tensa e curiosa principalmente para as pessoas que não viram, até tudo culminar no final que será um choque para quem não viu o original.

Mesmo assim, existem coisas no filme não funcionam de nenhuma forma. O primeiro deles é o romance que acontecer entre os personagens Ray e Claire, algo totalmente estranho e sem química entre os atores, se resumindo apenas à Ray flertando o tempo todo e Claire apenas ouvindo, mas ao chegarmos na metade do filme, você descobre que ela correspondia a Ray e vendo o filme é completamente imperceptível. A segunda ocorre principalmente pela adaptação do personagem de Julia Roberts. No argentino, temos a mulher de um homem qualquer que é assassinada, e o protagonista possui um parceiro que, assim como ele, não tem ligação com o viúvo. No caso do americano, tornaram Julia Roberts os dois personagens, então seu personagem acabou ficando com falas dobradas e tendo de aparecer em momentos que não fazia sentido algum ela estar ali. Isso não é perceptível apenas para quem viu o original, mas é um erro muito estranho no filme.

Sobre as atuações, digo que todos os personagens estão totalmente fiéis aos do argentino, mas ao mesmo tempo, Olhos da Justiça parece ter dado uma “achatada” em seu tempo de duração, não dando tempo, muitas vezes, para que certos personagens tenham o carisma necessário. Chiwetel é um ator fenomenal, fez trabalhos muito bons em 12 Anos de Escravidão e em Z for Zacariah, e aqui faz um papel mais descontraído, mas consegue ser expressivo como sempre, demonstrando muito suas emoções apenas com o olhar. No caso de Nicole Kidman, a atriz faz um trabalho bom dentro de seu personagem, mas o mesmo é o mais prejudicado, não tendo tempo de tela o suficiente como seu personagem tem no argentino. E temos Julia Roberts roubando todas as cenas, fazendo um trabalho extremamente tenso, triste e que exige do ator. Mas, como já disse, houve uma fusão de personagens no dela, então ao mesmo tempo que sua atuação é impecável, seu personagem não têm porque estar em muitos lugares.

A fotografia é muito bonita, e no caso de Olhos da Justiça, consegue passar um clima bem mais denso e melancólico utilizando, claramente, um filtro acinzentado fazendo os cenários sempre estarem mais sombrios. E assim como o argentino, há o plano sequência no estágio (de baseball aqui), mas para a tristeza dos fãs do original, não temos a cena do trem.

E por fim, a trilha sonora totalmente instrumental e original, muito bonita que se encaixa bem em todos os momentos em que aparece, o que faz com que fique estranho nos créditos quando surge uma faixa não própria do filme, cantada e mais para o pop.

Olhos da Justiça pode ser um remake apenas para apresentar uma excelente história para o público americano, mas mesmo assim não podemos tirar a sua qualidade mesmo que tenha alguns defeitos e adaptações em certos pontos da história que não tenham sido do meu gosto, assim como um pequeno detalhe no fim do filme, mas que muda tudo. Mesmo assim, para quem não consegue é válido, mas de qualquer forma, se você não viu O Segredo dos Seus Olhos, veja, pois este é bom, mas o original é uma obra de arte.

Nota do Autor: 7.5
Nota do público:(3 votos) 5.8
Dê a sua nota:

074025.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

075119.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

075900.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

077462.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

078400.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Trailer:

Arthur Lopes
Canal pessoal - Marmota Frita Fanático por cinema e video games em geral desde sempre, estuda administração mas seu verdadeiro amor permanece no mundo da sétima arte. Ama qualquer gênero cinematográfico, indo de romance até terror mas com preferência no drama, o que fez com que Batman - O Cavaleiro das Trevas se tornasse o seu filme favorito, consagrando Nolan como o mesmo. Mas também admira outros mestre do cinema como Eastwood e Tarantino. Escreve nas horas vagas e está adaptando um conto no intuito de transforma-lo em um roteiro para longa-metragem.

Arthur Lopes publicou 264 posts. Veja outros.

Publicidade

  • Anderson Vilaça

    Só pelos trailers/Spoiler do filme deu pra notar que o filme tem uma historia bem interessante e intensa! À atuação da Julia Roberts está um show à parte! Ela está fantástica, acredito eu no seu melhor momento como atriz. Só não gostei da aparência dela no filme, não sei porque a “enfeiram” mas em fim… Pelo menos podemos desfrutar da beleza dela na Premiere do filme, ela estava deslumbrante hehe

    • Arthur Lopes

      sim cara, mas não se esqueça, veja o argentino pois ele é mais completo, sem defeitos, ou seja, bem melhor!

      • Anderson Vilaça

        Claro! E quase que uma obrigação a gente ver o original quando se trata de um remake, aliás, não lembro de nenhum remake que fosse melhor que o original , esse não seria diferente não e verdade? Abraço

        • Arthur Lopes

          acho q melhor que o original só podemos destacar mesmo Os Infiltrados do Scorsese, não que o asiático seja ruim, e o Scarface do Brian de Palma

  • nikita.

    Vocês poderiam me dizer o nome da faixa cantada no final do filme, quando aparecem os créditos?