Batman: A Piada Mortal (Batman: The Killing Joke) – Crítica

A Piada Mortal, mas não tão mortal assim.

Batman-The-Killing-Joke

Após alguns anos da aposentadoria de Barbara Gordon como Batgirl, O Coringa volta à ativa mesmo estando dentro do Asilo Arkham. Batman vai interrogar o inimigo e descobre que ele conseguiu fugir do manicômio. Agora cabe ao Batman impedir que o palhaço do crime execute o seu plano maquiavélico de uma noite, apenas para provar algo ao mundo.

Essa animação é quase que dois episódios de uma série, tanto pelo tempo de duração, apenas 75 minutos, bem precisos, tanto pela forma que é executada. Temos uma introdução bem longa da Batgirl, algo que se remete à personalidade da personagem e depois o quadrinho em si d’A Piada Mortal. Um filme com altos e baixos.

O fator baixo é justamente a parte que não existe na graphic novel a introdução da Batgirl. Além de ser uma história completamente desconexa de todo o resto, que realmente não faz sentido estar lá, e ainda temos a polêmica que muitos fãs reclamaram (inclusive eu) por não fazer a menor diferença que seja na história do filme, e ir contra quase tudo que o universo do Batman nos quadrinhos já nos mostrou. Ou seja, temos cerca de 20 minutos iniciais completamente inúteis, cansativos, que têm a intenção de nos apresentar a Batgirl, mas nos dão a impressão de que o que quiseram fazer é jogar um toque de feminismo, mulher forte, de forma gratuita, coisa que poderiam ter colocado de outra forma.

Mas quando chegamos em A Piada Mortal mesmo, o filme brilha. Basicamente toda a história é perfeita, com míseras alterações na adaptação, mas o melhor de tudo é que funciona muito bem como filme, é um terror psicológico pesado, com uma temática perturbadora e pontas soltas propositais que causam discussões interessantes e que nos levam para algumas interpretações do que pode ter acontecido em alguns pontos-chave.

A dublagem é algo que dá muita vida à toda animação, e em destaque temos Kevin Conroy como Batman, este que dubla o personagem há anos e havia se aposentado, retornando apenas por descobrir que Mark Hamill, o queridíssimo Luke Skywalker, estaria retornando também para dublar o psicótico Coringa, personagem que também dubla há anos e que faz com maestria sendo o dublador oficial do personagem.

A animação é boa, mantendo o 2D que é o que os filmes animados da DC costumam utilizar, e sua fotografia também é competente, se mantendo sombria, mas nos momentos em que o palhaço do crime está presente, é posta uma coloração mais forte. Algo que também é utilizado é o estilo sépia em alguns flashbacks que mostram a origem do Coringa.

A trilha sonora também é competente, faz bem a sua parte em tensão e ação, e o melhor de tudo é quando o filme se encerra com o silêncio, o que foi uma escolha extremamente inteligente e que apenas vendo o filme para entender o impacto do silêncio.

Batman: A Piada Mortal não é a melhor animação da DC principalmente por ter um começo cansativo e inútil que chega a ser bem ruim, sem motivos para existir. Quando chega a adaptação do quadrinho, a mesma é impecável e consegue fazer o final ser arrepiante, mesmo para quem já sabe o que aconteceu. Com isso ele se torna um filme bom, que poderia ter sido muito melhor se não houvesse acréscimo de certas partes.

Nota do Autor: 7
Nota do público:(9 votos) 6.5
Dê a sua nota:

007410.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 368064.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 369001.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 369470.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 438507.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 440539.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 441320.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Trailer:

Arthur Lopes
Canal pessoal - Marmota Frita Fanático por cinema e video games em geral desde sempre, estuda administração mas seu verdadeiro amor permanece no mundo da sétima arte. Ama qualquer gênero cinematográfico, indo de romance até terror mas com preferência no drama, o que fez com que Batman - O Cavaleiro das Trevas se tornasse o seu filme favorito, consagrando Nolan como o mesmo. Mas também admira outros mestre do cinema como Eastwood e Tarantino. Escreve nas horas vagas e está adaptando um conto no intuito de transforma-lo em um roteiro para longa-metragem.

Arthur Lopes publicou 261 posts. Veja outros.

Publicidade

  • Rafael Antunes

    Acabei de assistir essa animação.
    Concordo que o inicio foi chato e cansativo, cheguei a questionar se realmente estava assistindo o filme certo.
    Sou fã das animações da DC, e confesso que esperava mais desta nova, talvez ela não tenha me surpreendido tanto já que não sou leitor de quadrinhos, mas sempre ouvi tantas coisas boas sobre a piada mortal, que me imaginei tendo espasmos de loucura assistindo este filme.
    Triste.

    • Arthur Lopes

      cara, vale muito mais a pena o quadrinho. é uma excelente adaptação, na parte em que adapta a piada mortal, mas o quadrinho é bem mais psicológico, e bem mais lunático. não q você não tenha entendido, mas algumas coisas são dificeis de pegar. tenta dar uma lida na net sobre coisas “escondidas” do quadrinho que talvez você curta =D