Capitão América: Guerra Civil (Captain America: Civil War) – Crítica

E a Marvel conseguiu novamente! Depois de A Era de Ultron, todos estavam ansiosos para ver os vingadores reunidos novamente em tela. Guerra Civil trouxe o retorno de caras conhecidas e nos apresentou algumas novas, no filme que pode ser o melhor feito pelo estúdio até agora.

02_SPTNK_1Sheet_DomPayoff_Brazil

O filme tem o retorno dos Irmão Russo, de O Soldado Invernal, à direção, que trouxeram de volta o clima de tensão e as sequências de ação que consagraram o segundo filme do Capitão. Em Guerra Civil, eles alcançaram um nível totalmente novo, colocando, ao mesmo tempo, vários heróis em tela, sem fazer com que suas aparições ficassem tão apagadas e ainda trazendo sequências incríveis com cada um deles.

Em um filme que temos mais de nove heróis em ação, era esperado que alguns recebessem menos atenção que os outros. Durante o longa, os vários heróis apresentados tem sua função muito bem estabelecida, compensando o seu relativo pouco tempo de tela. Outros coadjuvantes também foram muito melhor aproveitados, como é o caso da Agente 13, que por mais que ainda não tenha mostrado todo o seu potencial, se torna um elemento essencial para a história.

CivilWar56e1af999ef83

Mas o que todos estavam ansiosos para ver era a introdução dos novos personagens, e posso afirmar, elas fizeram o cinema ir ao chão. O primeiro que vimos foi T’Challa, Rei de Wakanda, que se apresentou muito fiel ao que conhecemos nos quadrinhos, embora tenha deixado um pouco a desejar na sua figura de líder, algo que deve ser melhor explorado no seu filme solo.

Agora, fico muito feliz em dizer que finalmente ganhamos o Peter Parker que merecemos. O Homem-Aranha no filme é tudo aquilo que fez gerações se apaixonarem pelo personagem. Tivemos alguns belos momentos com ambas as faces do mesmo, que foi maravilhosamente interpretado por Tom Holland. Principalmente depois que assume o manto, trazendo uma torrente de piadinhas durante as suas sequências de luta, um traço clássico do personagem. O filme também traz uma quantidade enorme de referências, não só ao universo Marvel, mas à cultura pop em geral.

Até o capitão pegou essas referências!

Até o capitão pegou essas referências!

Falando em humor, ele está presente em várias sequências do filme, mas começa a diminuir consideravelmente na hora final, deixando claro que os temas apresentados têm os seus devidos pesos, tornando esse o filme mais pesado do estúdio. Por mais que o longa esteja longe da magnitude que o evento teve nas HQ’s, o filme soube estabelecer muito bem as intenções dos dois lados do conflito, fazendo com que seja possível compreender o ponto de vista dos dois personagens.

Por melhor que o filme seja, ele não é perfeito. Mesmo compensando o tempo de tela dos personagens com belas sequências, alguns tiveram muito pouco aprofundamento como o personagem de Martin Freeman, por exemplo. Mas o principal problema é o vilão, um problema constante do estúdio. Zemo é apenas mais um vilão vazio, sem nenhuma motivação convincente e tão desinteressante quanto Ronan. O personagem até poderia ter um belo potencial, mas é facilmente superado pelos conflitos do filme.

Guerra Civil é com toda a certeza um dos melhores filmes que a Marvel já fez, realmente um Vingadores 2.5, que apresenta uma galeria de personagens novos e conhecidos com maestria, em uma trama tensa e recheada de sequências de ação frenéticas. Um presente para os fãs!

Trailer:

Sinopse oficial:

Capitão América: Guerra Civil encontra Steve Rogers (Chris Evans) liderando o recém-formado time de Vingadores em seus esforços continuados para proteger a humanidade. Mas, depois que um novo incidente envolvendo os Vingadores resulta num dano colateral, a pressão política se levanta para instaurar um sistema de contagem liderado por um órgão governamental para supervisionar e dirigir a equipe.

O novo status quo divide os Vingadores, resultando em dois campos: um liderado por Steve Rogers e seu desejo de que os Vingadores permaneçam livres para defender a humanidade sem a interferência do governo; o outro seguindo a surpreendente decisão de Tony Stark (Robert Downey Jr.) em apoio à supervisão e contagem do governo

Nota do Autor: 9
Nota do público:(41 votos) 6.4
Dê a sua nota:

Guilherme Vitoriano
Devorador de Livros e Quadrinhos, domador de jogos.e Nerd assumido. Apreciador de uma boa música e apaixonado por suas meninas.

Guilherme Vitoriano publicou 239 posts. Veja outros.

Publicidade

  • leandrovallina

    Concordo em genero, numero e grau e tambem achei o vilão meio besta e sem motivo, quer dizer, motivo até teve, mas é um motivo que não dá pra se levar a risca ou estariamos perdidos, mas a minha nota foi um 10 facil pra esse filme