Doutor Estranho (Doctor Strange) – Crítica

E a Marvel acertou, mais uma vez…

495786-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Doutor Stephen Strange (Benedict Cumberbatch, Além da Escuridão: Star Trek) é um cirurgião, e nisso ele é o melhor no que faz. Certo dia, Strange sofre um acidente de carro quase fatal que compromete completamente o uso de suas mãos, o seu instrumento principal de trabalho. Após inúmeras fisioterapias, Strange ouve falar de um lugar em Kathmandu no Nepal onde as pessoas usam magia para se tratar. Lá, ele conhece A Anciã (Tilda Swinton, Constantine) que mostrará um mundo além dos olhos dos humanos, vendo também habilidades inimagináveis em Strange que poderão ser úteis para a batalha contra um ser maior.

Filme de origem da Marvel, não é segredo nenhum que a fórmula de sempre esteja inserida aqui. De certa forma, Doutor Estranho dá a sensação de déjà vu de bons filmes da Marvel como o fantástico Homem de Ferro e o divertidíssimo Homem Formiga. Isso é ruim? Sim e não.

O “ruim” disso que é na verdade estamos tão acostumados com os filmes da Marvel, sua fórmula que está sendo usada durante 8 anos, o mesmo estilo de humor, linha narrativa, etc, que queremos mais, algo novos, algo mais ousado no seu contar de história. Porém, isso dá certo, e é por isso que não é ruim.

Doutor Estranho é com certeza um dos melhores filmes do universo Marvel justamente por tentar inovar e nos trazer algo diferente. Sua história é padrão, com cenas de ação fantásticas e um humor colocado na medida perfeita por mais que em uma ou duas cenas, ele acaba sendo posto no momento errado. No entanto, Doutor Estranho entra fácil na lista de personagens mais cativantes de todo o universo da Marvel utilizando da arrogância e cinismo que muito lembra Tony Stark, mas que mostra ter outras camadas que não deixa os dois personagens iguais. Mas ao mesmo tempo que Stephen Strange é fenomenal, seu vilão entra para a lista de vilões medíocres da Marvel que não têm nada de decente sem ser o Loki que não é grande coisa também.

No entanto o grande show que Doutor Estranho nos oferece é justamente os seus efeitos visuais que são muito mais do que bonitos, mas são relevantes para a trama, é um instrumento narrativo utilizado de forma exemplar. Tudo aquilo que foi mostrado nos trailers é apenas uma gota em um copo cheio do que está por vir. As cenas de ação são basicamente apoiadas nos efeitos que possuem claramente influência de A Origem, mas elevado à um nível infinitamente maior. O que acaba “comprometendo” algumas das outras cenas de ação e as que utilizam esse recurso são justamente as duas primeiras cenas do filme que a usa, sendo tão incrivelmente fantásticas que as seguintes perdem um pouco a força. De qualquer forma, todas as magias de Doutor Estranho são únicas e fazem até com que a batalha final, contra o grande vilão, seja diferente de tudo que já viu.

Vale ressaltar que Doutor Estranho tem cenas mais chocantes do que os filmes da Marvel estão habituados a ter. Não é nada traumatizante, mas no primeiro momento, choca.

O elenco é escolhido a dedo e todos estão excelentes em seus papéis. Benedict Cumberbatch cai como uma luva na pele de Stephen Strange. Ele tem toda a determinação que o personagem necessita e também consegue fazer a transição de um cara mais arrogante para alguém que tem de ser sábio o suficiente para reter um poder descomunal. Ainda temos Mads Mikkelsen como um dos vilões, como um homem superpoderoso que deseja libertar uma entidade maligna. Tilda Swinton que tá muito bem no papel de mestre de Strange. Rachel McAdams como o interesse amoroso de Strange, mas que não é algo explorado de forma exagerada no filme e por fim, Chiwetel Ejiofor como Mordo, um dos parceiros de Strange que no fim tem uma mudança de caráter brusca até demais.

A fotografia do filme é lindíssima e ocorre justamente pelos efeitos especiais únicos que ajudam a contar a história de forma épica.

E por fim a trilha sonora muito boa com seus tons heroicos que são necessários para filmes do gênero, mas que acaba por ser um pouco escandalosa em certos pontos, mas nada que atrapalhe realmente.

Doutor Estranho é mais um filme com o selo Marvel. O negócio é o seguinte: em questão de história é provável que com tudo que você já viu de super-herói, você já terá visto aqui. Mesmo arcos dramáticos de filmes de origem, a mesma dose de humor e lutas que divertem e empolgam. Porém o que realmente salva o longa de ser só mais um é justamente seus efeitos que ajudam na narrativa que mascara o fato dele ser só mais um. De qualquer forma, Doutor Estranho é um filme que vale a pena, se possível em IMAX 3D e que vai fazer você se divertir e empolgar o tanto que ele prometeu. É uma aposta certeira da Marvel e que irá render tramar muito interessantes com o que esse personagem pode fazer. Porém, é cada vez mais evidente que a fórmula Marvel está começando a cansar.

Nota do Autor: 8
Nota do público:(7 votos) 8.6
Dê a sua nota:

124947-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 125572-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 126040-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 277928-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 286522-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 415849-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Trailer:

Arthur Lopes
Canal pessoal - Marmota Frita Fanático por cinema e video games em geral desde sempre, estuda administração mas seu verdadeiro amor permanece no mundo da sétima arte. Ama qualquer gênero cinematográfico, indo de romance até terror mas com preferência no drama, o que fez com que Batman - O Cavaleiro das Trevas se tornasse o seu filme favorito, consagrando Nolan como o mesmo. Mas também admira outros mestre do cinema como Eastwood e Tarantino. Escreve nas horas vagas e está adaptando um conto no intuito de transforma-lo em um roteiro para longa-metragem.

Arthur Lopes publicou 255 posts. Veja outros.

Publicidade