Pets – A Vida Secreta dos Bichos (Pets) – Crítica

Um Toy Story sobre animais de estimação.

557955.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Max é um cachorro que vive em Nova York, junto de sua dona pela qual ele é apaixonado. Todos os dias, Max espera sua dona voltar para casa, e certo dia, a mesma traz um novo cachorro chamado Duke. De início, ambos não se gostam principalmente por Max ter ciúmes do companheiro, mas eis que os dois se perdem na cidade, ficam na mira da carrocinha e até mesmo de uma gangue de outros bichos que vive no esgoto. Agora Max e Duke terão de voltar para casa, enquanto seus amigos da vizinhança buscam pelos dois em Nova York.

É inegável que Pets – A Vida Secreta dos Bichos tem imensa inspiração de Toy Story, que fala sobre como os brinquedos agem quando os donos não estão por perto, e que dois deles acabam se perdendo na cidade pelas diferenças entre eles.

Pets tem muito de Toy Story, mesmo assim consegue ser diferente, com um entretenimento mais escrachado, coisa que os filmes da Universal andam fazendo, como por exemplo Meu Malvado Favorito, que claramente se passa no mesmo universo de Pets. O filme é divertido, e o que é mais interessante, e bem explorado, é a criatividade dentro dos estereótipos de animais, como o fato de os cachorros serem amigáveis, os gatos não ligarem para ninguém e até mesmo um gavião que está sempre com fome.

Os elementos são bem explorados em Pets, o que também faz com que cada personagem seja único, não repetindo o que cada um tem a dizer ou a fazer ali. Sem contar isso, o humor é predominante no filme, e em muitos momentos, por mais que seja um humor completamente escrachado e bobo, o longa faz você rir, muito, e de forma completamente sincera, acontecendo muitas vezes justamente pela boa exploração de estereótipos que o longa faz de forma perfeita. O único real problema é que Pets não sabe a hora de acabar, e se alonga mais do que devia, o que faz com que o espectador pare de se interessar pelo filme lá no meio do terceiro ato.

No quesito atuação não há, mas a dublagem brasileira (a qual eu vi) é muito bem utilizada. Aqui temos a presença de Danton Mello, Tiago Abravanel, Tatá Werneck, Luis Miranda, entre outros, que dão vida aos personagens de forma competente. O que é bom em Pets é que o filme não tem a necessidade de abrasileirar certas coisas, ou até mesmo colocar a Marília Gabriela em seu enredo.

No quesito animação, o filme se sai bem, mas se mantém na zona de conforto pois é basicamente a mesma animação utilizada em Meu Malvado Favorito e Minions, como eu já disse, ambos se passam no mesmo universo.

E por fim, a trilha sonora que cumpre bem o seu papel, conseguindo aumentar a dose de drama em certos momentos, a comédia em outros, pagando o que promete.

Pets vai na onda de muitos filmes, mas mesmo assim é inegável tamanha diversão que o longa fornece. Zootopia é excelente, mas é uma animação com proposta diferente a Pets, que foca 100% no humor, satirizando tudo que consegue, e com isso acaba por fazer um filme super divertido, único e que todos vão adorar.

Nota do Autor: 8
Nota do público:(0 votos) 0
Dê a sua nota:

234905.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 235531.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 236312.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 237718.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 593424.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 594518.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 595143.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Trailer:

Arthur Lopes
Canal pessoal - Marmota Frita Fanático por cinema e video games em geral desde sempre, estuda administração mas seu verdadeiro amor permanece no mundo da sétima arte. Ama qualquer gênero cinematográfico, indo de romance até terror mas com preferência no drama, o que fez com que Batman - O Cavaleiro das Trevas se tornasse o seu filme favorito, consagrando Nolan como o mesmo. Mas também admira outros mestre do cinema como Eastwood e Tarantino. Escreve nas horas vagas e está adaptando um conto no intuito de transforma-lo em um roteiro para longa-metragem.

Arthur Lopes publicou 256 posts. Veja outros.

Publicidade