Sing – Quem Canta Seus Males Espanta (Sing) – Crítica

É oficial: eu não sei mais quem vencerá o Oscar de Melhor Animação de 2017.

011755-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Em meio a uma cidade onde seus habitantes são animais, Buster Moon é um coala empreendedor que tenta fazer com que seu teatro emplaque de alguma forma. Sendo assim, Moon acaba por criar um concurso de talentos e o vencedor ganharia a quantia de 1000 dólares, mas por um erro o prêmio é divulgado como sendo 100.000 dólares. Sendo assim, Moon recruta inúmeros talentos da cidade, mas agora terá de extrair seus talentos enquanto tenta arranjar dinheiro para a real premiação.

Sendo bem sincero, talvez a categoria de Melhor Animação deste ano seja a categoria mais acirrada, estando entre Zootopia, Kubo e Sing. Três filmes geniais que vão além da simples animação com uma história bonita ou moral, e será muito difícil outras animações conseguirem entrar no páreo para competir com elas.

Sing é um filme mágico, mas além de uma animação sobre músicas e caça talentos, ele é um verdadeiro show musical. As animações têm, cada vez mais, trazendo morais adultas em seus contextos, algo que agrega para os adultos, mas que não pesa para as crianças que apenas querem ver o desenho. Sing não foge da regra, e por mais que a mensagem até seja batida como “siga seus sonhos” ou até mesmo “nunca desista daquilo que você ama”, é belo de qualquer forma.

Toda a história funciona, desde a motivação de seus personagens (que são alguns) além de Moon, e não é nem um pouco difícil de se comparar com alguns deles ou se reconhecer como a mistura de dois ou três (aconteceu comigo), e quando um filme faz isso, ele mexe com a gente e as vezes de forma muito profunda. Além do lado emocional do filme e sua trama muito bem contada, a comédia é espetacular com piadas que falham quase nunca, personagens cômicos tanto em suas atitudes quanto em personalidade, o que traz toda a leveza e prazer de ver um filme familiar com os amigos ou até mesmo família.

Mas como já dito, não se engane. Kubo e as Cordas Mágicas é um filme que por mais que seja uma animação, aborda o lado mais adulto de forma principal, já Sing é o contrário, sendo isso um sub contexto que os mais vividos irão notar. Cuidado, pois isso pode te pegar desprevenido e chorar em Sing não é uma tarefa nada difícil com a fácil empatia que temos pelos seus personagens, ou até mesmo quando vemos um pequeno rato cantando My Way de Frank Sinatra, outro ponto chave que faz com que estejamos vendo um grande show musical sem estranhar pelo fato de serem animais cantando.

A dublagem do filme é perfeita no original com vários atores fantásticos nas vozes. Temos o magnífico Matthew McConaughey como Buster Moon, uma dublagem que foge completamente da sua voz usual, não dando nem para perceber que é o ator, tornando sua voz em algo mais encorpada, adulta e autoritária. Reese Witherspoon como Rosita, uma porca dona de casa que deseja ser cantora, e sim, Reese canta de forma esplêndida junto de outros atores como Seth MacFarlane, Taron Edgerton, Tori Kelly e até mesmo Scarlett Johansson que tem uma música original para sua personagem no longa. Todos estão impecáveis. No caso da versão brasileira, temos figuras como Mariana Ximenes, Fiuk, Sandy, Wanessa Camargo e até Marcelo Serrado. Porém, as músicas são em inglês, então irá ocorrer o estranho do personagem estar falando em português e repentinamente começar a falar em inglês, além da diferença de voz tirando Wanessa Camargo que cantará a música original traduzida da personagem dublada por Scarlett Johansson.

A fotografia e animação também são excelentes. O filme que é feito pela Illumination segue um pouco os arquétipos utilizados em Meu Malvado Favorito e até mesmo o atual Pets, mas não se vincula a nenhum dos dois e também tenta ser diferente para não cair em comparação a Zootopia. A fotografia é muito colorida, com vários cenários, destaque para a cena com o palco de lulas.

E por fim a trilha sonora com uma imensa lista de músicas, na maior parte faixas autorizadas de artistas. A trilha sonora original é boa, mas pouco se destaca comparado as outras músicas. Entre os artistas e faixas temos Nicki Minaj com Anaconda, Frank Sinatra com My Way, Taylor Swift com Shake it Off, Seal com Kiss From a Rose entre muitos outros como Usher, Lady Gaga, Sam Smith, Limp Bizkit, Katy Perry, David Bowie e até mesmo Ariana Grande e Steve Wonder.

Sing é um show! Tanto como filme animação, tanto como um filme motivacional que irá atingir aqueles que desejam viver de arte à até outras pessoas, e até mesmo como um show musical. Divertido, alegre e fascinante, Sing é original e extremamente bem executado com sua trama humor e a utilização de suas músicas. É uma forte aposta para o Oscar de Melhor Animação, mas não importando prêmios, é um grande filme!

Nota do Autor: 10
Nota do público:(2 votos) 10
Dê a sua nota:

016283-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 092665-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 093290-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 093759-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 094228-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 094696-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 096795-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Trailer:

Arthur Lopes
Canal pessoal - Marmota Frita Fanático por cinema e video games em geral desde sempre, estuda administração mas seu verdadeiro amor permanece no mundo da sétima arte. Ama qualquer gênero cinematográfico, indo de romance até terror mas com preferência no drama, o que fez com que Batman - O Cavaleiro das Trevas se tornasse o seu filme favorito, consagrando Nolan como o mesmo. Mas também admira outros mestre do cinema como Eastwood e Tarantino. Escreve nas horas vagas e está adaptando um conto no intuito de transforma-lo em um roteiro para longa-metragem.

Arthur Lopes publicou 253 posts. Veja outros.

Publicidade