Snowden – Herói ou Traidor (Snowden) – Crítica

Oliver Stone retorna, desta vez, de forma relevante.

312186-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

O filme é basicamente uma cinebiografia da vida de Edward Snowden, este que trabalhava para a CIA e que vazou os documentos do governo norte americano de que os mesmos espionavam, basicamente, o mundo todo. Sendo assim, o filme se inicia com o grupo de repórteres que vão ao encontro de Snowden para documentar todo o ocorrido, até a sua estadia em Moscou onde reside até hoje.

Em quesito de história não há nada a declarar, aliás, é um fato verídico e não dá para se levar a sério tudo que é posto na tela, como é avisado logo de início, tudo que está lá é nada mais nada menos do que uma dramatização de fatos que aconteceram.

Porém, em anos Oliver Stone não conseguia emplacar um roteiro decente, mas que antes de tudo, condissesse com sua forma de direção. O filme é longo, tendo cerca de 135 minutos e traz consigo uma história bem contata e que flui muito bem abordando inúmeros fatores na vida de Snowden, seja sua vida amorosa, pessoal, a inteligência do personagem, planos contra o governo e a paranoia desenvolvida por causa de seu trabalho.

No entanto, este é um filme que assim como A Travessia, pode ser considerado dispensável. No caso d’A Travessia, filme que conta sobre o francês que atravessou as torres gêmeas sobre um arame, alguns poucos anos antes teve um documentário vencedor do Oscar chamado O Equilibrista (Man on Wire). Sendo assim, o filme acabava sendo apenas mais um outro ponto de vista com pouco a acrescentar. Snowden é quase a mesma coisa, pois por mais que seja bem escrito, dirigido e atuado, anos atrás tivemos o documentário Citizenfour, também vencedor do Oscar, ou seja, o longa pouco oferece.

Mesmo assim, a história é bem contada e muito bem dramatizada, dando uma boa abordagem ao seu protagonista que consegue sustentar o filme por mais de duas horas. Oliver Stone carrega várias formas de direção, seja desde a mais contida e estática a quase câmera na mão. O filme também tem uma edição excelente que faz com que o mesmo não caia no cansaço. E também, o longa não cai na mesmice que tentar nos cativar com personagens arrogantes e super-inteligentes como os filmes de gênios normalmente fazem. A Rede Social, O Quinto Poder, Steve Jobs, entre outros são ótimos exemplos.

O que acaba sendo um ponto muito forte do filme é o elenco grande e recheado de boas atuações. Joseph Gordon-Levitt está excelente no papel, passando exatamente os trejeitos de Snowden até mesmo a forma de falar, para as telonas. Eu acho muito provável que ele concorra a algo, nem que seja à um Globo de Ouro, principalmente pelo filme ser todo jogado em suas costas, por mais que ainda tenhamos no elenco nomes como Shailene Woodley, Melissa Leo, Zachary Quinto, Tom Wilkinson, Rhys Ifans, Timothy Olyphant, Scott Eastwood e até mesmo Nicolas Cage, todos muito bem em seus papés, mesmo que uns sejam mais importantes que outros.

A fotografia é muito boa e a trilha sonora cumpre bem o seu papel, por mais que em alguns momentos a mesma aparente não ser imparcial, e acabe sugerindo um tom heroico a Snowden. Porém, sabemos que Oliver Stone não liga de mostrar suas preferências, então não é nada surpreendente.

Snowden – Herói ou Traidor é o melhor filme de Oliver Stone em muitos anos. Tem uma história coesa, com uma direção concisa e precisa quando tenta ousar e também traz fortes interpretações. Porém não é um filme grandioso que vá ser indicado em inúmeras categorias, por mais que mereça em algumas, e aparente ser um filme desnecessário. Mesmo assim é bom, recomendável, mas principalmente por mostrar que Oliver Stone ainda tem jeito para o cinema.

Nota do Autor: 7.5
Nota do público:(1 voto) 7.5
Dê a sua nota:

069773-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 102933-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 428161-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 540448-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx 551322-jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Trailer:

Arthur Lopes
Canal pessoal - Marmota Frita Fanático por cinema e video games em geral desde sempre, estuda administração mas seu verdadeiro amor permanece no mundo da sétima arte. Ama qualquer gênero cinematográfico, indo de romance até terror mas com preferência no drama, o que fez com que Batman - O Cavaleiro das Trevas se tornasse o seu filme favorito, consagrando Nolan como o mesmo. Mas também admira outros mestre do cinema como Eastwood e Tarantino. Escreve nas horas vagas e está adaptando um conto no intuito de transforma-lo em um roteiro para longa-metragem.

Arthur Lopes publicou 264 posts. Veja outros.

Publicidade