Sylvester Stallone – Biografia

Sylvester Stallone, que completa incríveis 70 anos em 2016, 40 deles enfiando porrada e metralhando pessoas no cinema, é o exemplo vivo do quanto transpiração, força de vontade e perseverança são essenciais para se vencer na vida, mesmo quando tudo leva a crer no fracasso.

unnamed

A batalha de Sylvester Gardenzio Stallone começou em  6 de julho de 1946, em Nova Yorke, no dia em que nasceu, quando Jackie Stallone, sua mãe, teve complicações com o parto natural, obrigando os médicos a usarem um fórceps (uma espécie de pinça, que puxa o bebê pela cabeça) o que não deu muito certo, uma vez que um nervo facial do ator foi lesionado, causando uma paralisia parcial da face, afetando os lábios, língua e queixo, o que já seria ruim para qualquer um, para um ator, se torna ainda pior.

Stallone CriançaEm Nova Yorque, Sly cresceu até os 5 anos no bairro conhecido como Hell’s Kitchen (famoso pelas histórias do Demolidor), com os pais, Frank Stallone, um italiano cabeleireiro, e Jackie Stallone, uma bailarina e promotora de luta livre feminina. Em 1951 a família se mudou para Washington DC, onde seu pai abriu uma escola de cabeleireiros e 3 anos mais tarde, quando Sly tinha 9 anos, se divorciou de sua mãe.

Morando apenas com sua mãe e seu irmão, Stallone se tornou uma criança complicada, chegando a ser expulso de 14 escolas até os 15 anos de idade, quando finalmente chegou à Devereaux Manor, uma escola particular para jovens problemáticos em Berwyn, na Pensilvânia, entretanto, sua péssima performance acadêmica lhe proporcionou pouquíssimas opções de universidades, o que o levou a frequentar a escola de cabeleireiros de seu pai em busca de uma profissão, porém, por muito pouco tempo, visto que não levava jeito para a coisa.

Após desistir de seguir os passos do pai, Stallone conseguiu uma bolsa em um colégio americano na suíça, onde conheceu e se encantou com as aulas de artes dramáticas, que pagava ensinando educação física para as garotas. Empolgado com a ideia de se tornar ator, voltou para os Estados Unidos e se matriculou no curso de Arte Dramática da Universidade de Miami, onde conta que por sua dificuldade na fala e falta de expressão foi desencorajado pelos professores a seguir estudando para se tornar ator, daí, decepcionado com o curso Sly abadona a Universidade, mas não a ideia de se tornar ator.

De volta a Nova Yorke, Sly passou por sérias dificuldades financeiras sem uma formação profissional, se revesando em empregos que foram de faxineiro de zoológico a lanterninha de cinema, para poder pagar o aluguel.

Aos poucos pequenos papéis foram aparecendo, Stallone começou a fazer figuração e pequenas pontas, como no filme Bananas, de Woody Allen, mas ainda assim a situação não melhorava e a remuneração era muito baixa, até que em certo momento, desempregado, Sly se viu sem condições de pagar o aluguel e morou nas ruas por três semanas, dormindo em uma estação rodoviária. Quando já não via mais saída, se deparou com o aviso de um teste de elenco para um filme de soft porn chamado The Party at Kitty and Stud’s. Stallone conta que “era fazer aquele filme ou roubar alguém”. Anos mais tarde o filme viria a ser relançado com o titulo de Italian Stallion (Garanhão Italiano), a fim de lucrar com a fama conquistada pelo ator posteriormente.

O garanhão Italiano

O Garanhão Italiano

Sem grandes oportunidades, Stallone seguiu interpretando papéis secundários em filmes como Farewell, My Lovely, Capone, e Death Race 2000, até quem em 1974 se casa com Sacha Czack, mas a péssima situação financeira continuava a atormenta-lo, o ator conta que um dos dias mais tristes de sua vida foi quando sem dinheiro algum, teve de vender seu cahorro a um estranho por U$ 25,00 dólares.

No dia 24 de março de 1974, Sly se depara com uma luta de boxe na televisão, a luta era entre o super campeão dos pesos pesados Muhammad Ali e o azarão Chuck Wepner. O embate durou incríveis 15 rouds e durante os 9 primeiros, Ali mostrou por que era o campeão golpeando incessantemente Wepner, que impressionou a todos resistindo firmemente aos golpes sem cair, até o final do nono round quando incrivelmente acerta um cruzado de esquerda no pescoço de Ali, seguido de um outro de direita, na região hepática. Ali estava no chão e o ginásio vinha a baixo, seis assaltos mais tarde o campeão devolveria e Wepner iria para a lona sendo derrotado por nocaute, mas o azarão já havia entrado para história.

Muhammad Ali e o azarão Chuck Wepner

Muhammad Ali e o azarão Chuck Wepner

Impressionado com a resistência e persistência de Wepner, Stallone tem um insight criativo, senta para escrever um roteiro e 20 horas depois, está pronto o roteiro de Rocky. Sly tinha consciência de que havia escrito algo bom, mas apenas quando começou a oferece-lo e recebeu a proposta de 120 mil dólares, uma verdadeira fortuna para alguém em suas condições, percebeu que tinha algo especial em suas mãos, vendo ali a sua grande oportunidade de conquistar seu espaço em Hollywood.

Feliz da vida com a proposta, Sly fez apenas uma exigência, ele teria de estrelar o filme, o que os executivos acharam um absurdo, visto que o vinham com tamanha descrença, sendo assim, lhe ofereceram  U$ 250.000, e tendo nova negativa do ator chegaram a proposta de U$350.000, vale relembrar que Stallone, alguns meses antes, havia vendido o próprio cachorro para comprar comida, e ainda assim seguiu firme em sua exigência, deixando claro que não aceitaria proposta alguma que não lhe desse o papel principal. Após todas as tentativas o estúdio finalmente se rendeu, e ofereceu U$35.000 e o tão desejado papel de protagonista.

Com o dinheiro em mãos, a primeira coisa que Sly fez, foi tentar recuperar seu cachorro, o ator conta que passou três dias em uma loja de bebidas esperando encontrar o homem que o havia comprado para pode-lo comprar de volta. Quando o homem finalmente apareceu com o cachorro, Stallone contou sua história e o quanto o cachorro era importante para ele, e lhe ofereceu 100 dólares, umas vez que o homem não aceitou e disse: “Dinheiro nenhum vai compra-lo, o cachorro é meu agora, e eu o adoro“,  seguiu lhe oferecendo 200, 500 e té mesmo 1000 dólares, sem sucesso, Sly estava decidido que não sairia dali sem o cachorro e realmente não saiu, no fim das contas conseguiu o cachorro com a incrível proposta de 15 mil dólares e uma participação em Rocky.

Stallone cachorro

Stallone e seu cachorro

Rocky foi lançado em 1976, mesmo eno em Sly se torna pai pela primeira vez, quando nasce Sage Stallone. O filme foi um incrível sucesso de crítica e bilheteria, com uma produção estimada em U$960.000,00 o filme rendeu incríveis U$117.235.24,00 tendo sido indicado a 10 categorias do Oscar e vencido os prêmios de Melhor Diretor, Melhor Edição e Melhor Filme

Para conhecer a fundo as histórias por trás da produção deste clássico que transformou Stallone em um dos maiores astros de todos os tempos, você TEM QUE CONFERIR o FGcast #67

Rocky Podcast

 Já premiado como realizador por Rocky, e com status de astro, Stallone se aventura pela primeira vez na direção em A Taberna do Inferno, filme que se passa na Nova Yorque pós-guerra (1946), em que três irmãos ítalo-americanos, os Carboni, vivem várias dificuldades para sobreviver, e apostam nas lutas de bairro, sem regras, para mudarem sua sorte. Filme que para sua sorte passou desapercebido pelo grande público, uma vez que foi considerado por muitos como um filme muito fraco.

FIST

Poster de F.I.S.T.

Já em 1978 Stallone se sai bem melhor em F.I.S.T. filme que se passa em Cleveland, nos anos 30, onde Sly vive o empregado de uma fábrica que rebela-se contra o trabalho escravo e se filia ao sindicato dos motoristas de caminhão (F. I. S. T). Ao longo de 30 anos, ele se torna um poderoso sindicalista, envolvendo-se com o crime organizado. O Filme é um retrato de uma parte do sindicalismo pioneiro americano, inspirado em fatos reais da vida de Jimmy Hoffa, que desapareceu sem deixar rastros. Dessa vez para seu azar, o filme também não fez muito sucesso, apesar das boas críticas.

Em 1979, Sly retorna à Rocky, em Rocky II- A Revanche e experimenta novamente a glória. O filme teve um orçamento de 7 milhões de dólares e arrecadou nada menos do que 200 milhões de dólares, já também com status de clássico. Mas enquanto a vida profissional ia de vento em polpa, Stallone encara mais uma batalha em sua vida pessoal, seu segundo filho recém nascido, Seargeoh Stallone, é diagnosticado com autismo, o que o levou a se tornar um grande doador e divulgador da causa, chegando a gravar comerciais nos anos 90, incentivando as pessoas a entrarem em contato com a Sociedade de Autismo da América, para colaborarem com a instituição.

Em 1981 Stallone atua ao lado de Michael Kane e Pelé em Fuga Para a Vitória, filme que relata a vida de prisioneiros aliados que são internados em um campo de prisão nazista durante a Segunda Guerra onde o major Karl von Steiner (Max Von Sydow), que no passado havia sido jogador da seleção alemã de futebol, tem a ideia de fazer um jogo entre a Alemanha e uma seleção composta pelos prisioneiros aliados, liderados pelo capitão John Colby (Michael Kane), um militar inglês que era um conhecido jogador de futebol. Colby também teria a tarefa de selecionar e treinar o time no qual Sly interpreta o goleiro, para enfrentar o time alemão no Estádio Colombes, que fica próximo à Paris, enquanto os nazistas, com exceção de Steiner, planejam fazer de tudo para vencer o jogo e assim usar ao máximo a propaganda de guerra nazista, os jogadores aliados planejam uma arriscada fuga durante o intervalo da partida. O filme pode não ser tão marcante, mas é muito interessante por suas críticas ao sistema da guerra, as lições de companheirismo, a luta pela esperança, as cenas de esporte e claro o fato curioso de ver Pelé ao lado de Stallone, Michael Kane e etc…

Stallone e Pelé

Fuga para a vitória

Ainda em 1981, Stallone estrela ao lado de Rutger Hauter ( o Lando Calrissian de Star Wars) o ótimo thriller policial Falcões da Noite, onde os dois  são designados para encontrar um temido terrorista europeu, atuando na cidade de Nova Iorque, em um excelente jogo de gato e rato, mas novamente sem muita expressão.

Em 1982 nasce mais um clássico em sua carreira, Sly assina o roteiro e da vida ao personagem principal de Rambo: Programado Para Matar, onde Rambo (Stallone) é um veterano da Guerra do Vietnã que é preso injustamente pelo xerife Teasle (Brian Dennehy), mas consegue fugir e promove uma guerra não só contra o policial mas contra toda uma cidade que o caça, causando pânico e destruição. O filme foi um imenso sucesso de crítica e bilheteria, se tornando um clássico, e tão clássico que também ganhou um FGcast, o FGcast#49.

Rambo Podcast

Em 1982, mais uma vez Rocky. Em Rocky III – O Desafio Supremo, Stallone volta ao papel do boxeador, assinando mais uma vez  direção, roteiro e produção, desta vez enfrentando o icônico Clubber Lang (Mr.T), e o filme como não poderia deixar de ser, foi um estrondoso sucesso, consolidando mais uma vez o status de super astro que acompanhou Stallone durante toda a década de 80.

Em 1983, Sly assume a direção de Os Embalos de Sábado Continuam, continuação do sucesso Os Embalos de Sábado à Noite, onde Tony Manero (Jhon Travolta) trabalha agora em uma academia de ginástica e anseia ser o dançarino principal de um grande show da Broadway. Em sua vida particular ele se vê dividido entre duas mulheres: Jackie (Cynthia Rhodes), uma professora de dança que trabalha no mesmo lugar de Tony, e Laura(Finola Hughes), dançarina principal de um show da Broadway. O filme passou longe de ter o mesmo sucesso do primeiro, mas apesar das críticas negativas, chegou a concorrer ao Oscar de Melhor Roteiro Original, Melhor edição e melhor canção original (Bee Gees) “Someone Belonging To Someone”.

Sylvester Stallone e John Travolta

Sylvester Stallone e John Travolta

Em Rhinestone de 1984, uma comédia musical, Sylvester Stallone se arrisca fazendo o papel do taxista Nick Martinelli ao lado da cantora Dolly Parton, que tenta transformar Martinelli num cantor para ganhar uma aposta. Este aqui também passou desapercebido, nós não vimos e você provavelmente também não, mas caso tenha visto, nos diga nos comentários se vale a pena conferir.

Rhinestone

Rhinestone

O ano seguinte foi “o ano” de Sly. Em 1985 o filme recordista de bilheteria foi De Volta Para o Futuro, mas Stallone ficou com nada menos do que a prata e o bronze lançando Rambo II: A Missão Rocky IVdois dos maiores sucessos de suas franquias. Rambo II: a Missão trazia o veterano do Vietnã de volta, em um roteiro que colocava Rambo em uma missão de resgate, buscando veteranos ainda presos no Sudeste Asiático, uma década após o fim do conflito. Stallone adaptou um roteiro originalmente escrito por James Cameron  e em uma explosão de testosterona, Rambo, como o mundo conhece, nasceu com uma bilheteria mundial que bateu os 300 milhões de dólares, e como não poderia deixar de ser, também ganhou um FGcast, o FGcast#83.

slider-83

Em Rocky IV não foi diferente, Sly assinou pela terceira vez o roteiro e a direção, e entregou mais um sucesso gigantesco, o filme costuma dividir opiniões, é o preferido de muitos e o pior para outros mas sem dúvidas, um dos mais icônicos, mergulhando no conflito da Guerra Fria, e na propaganda americana, o filme trazia também, o gigantesco Ivan Drago de Dolph Lundgren, que deixava sua marca como um dos personagens mais queridos da franquia. O filme também bateu a casa dos 300 milhões, transformando Stallone no maior e mais rentável astro de Hollywood em 1985.

Rocky Making Off

Ainda no glorioso ano de 1985, Sly se divorcia de Sasha Czack e se casa com Brigitte Nielsen (atriz de Red Sonja, e Rocky IV) com quem no ano seguinte estrelaria Cobra, onde interpreta  Marion Cobretti, conhecido pelo apelido de Cobra,  um policial indicado para operações consideradas de alto risco ou impossíveis, remanescente de um grupo de policiais conhecido como Esquadrão Zumbi, “os últimos da lista”. Quando um grupo de assassinos começa a cometer crimes na cidade, Cobra é chamado para detê-los e para proteger suas futuras vítimas, como a modelo interpretada por Brigitte . O nome verdadeiro de Cobra, de cunho feminino (Marion) e rejeitado por ele, é uma referência ao ícone dos filmes de Western John Weyne, que também passava pelo mesmo constrangimento por se chamar Marion. O filme não foi um sucesso como os anteriores e é até hoje esculhambado pela crítica que não vê com bons olhos coisas geniais, como cortar a pizza com uma tesoura ou colocar litros de catchup na batata frita, coisas que os fãs  adoram. Cobra não tem um FGcast ainda, mas não custa pedir, não é mesmo? #FGcastCOBRA já

Stallone Cobra

#FGcastCOBRA já

Em 1987, Sly volta ao drama, mas como não poderia deixar de ser, aquela altura dos anos 80, um drama carregado de testosterona. Em Over The Top (Falcão, o Campeão dos Campeões) ele interpretou um caminhoneiro que, após a morte de sua esposa, tenta fazer as pazes com seu filho que ele deixou para trás anos antes. Seu filho não pensa muito sobre ele até vê-lo competir em uma competição de queda de braço a nível nacional, onde como em Rocky, encontra a redenção através de um esporte. O filme também não foi um sucesso de bilheteria, mas no brasil se tornou um clássico da Sessão da Tarde e Sessão de Sábado na Globo, se tornando muito cultuado pelos fãs.

Stallone e Brigitte Nielsen

Stallone e Brigitte Nielsen

Ainda em 1987, Stallone toma conta das manchetes dos tabloides sensacionalistas ao se divorciar de Brigitte Nielsen, mas não por sua separação em si, mas sim pela razão, Stallone teria à  flagrado aos beijos com uma secretaria com quem teria um caso, se assumindo lésbica desde então.

 Já em 1988, Stallone, no auge da forma física, revisita Rambo, em Rambo III, o mais criticado da franquia, tanto pela crítica como pelos fãs. Em uma cena marcante, ele praticamente queima e cauteriza o próprio rim, mas apesar das críticas, ainda conseguiu uma grande bilheteria arrecadando cerca de 220 milhões de dólares em todo o mundo, para um orçamento estimado em 65 milhões.

Em 1989 Stallone se junta à Kurt Russel em Tango e Cash – Os Vingadores, onde Ray Tango (Stallone) e Gabriel Cash (Kurt Russel) são detetives do departamento de narcóticos incriminados pela morte de um agente. Eles são condenados e têm de cumprir 18 meses em uma prisão de segurança mínima (graças a um acordo), mas nunca chegam a este presídio e são enviados para outro, onde estão os maiores criminosos do país. O filme bastante divertido não foi tão bem de bilheteria quanto os maiores sucessos de Sly, mas fez uma boa grana, arrecadando 160 milhões mundialmente.

Ainda em 1989 Stallone contracena com Donald Sutherland em Lock Up (Condenação Brutal). Sutherland interpreta um diretor de presídio, que decide transformar a vida do detento Frank Leone (Stallone) em um inferno, isso quando faltam apenas seis meses para que alcance de sua tão almejada liberdade. A ideia de se ter Stallone preso em uma penitenciaria barra pesada parece ser argumento suficiente para um grande filme, mas infelizmente isso não acontece aqui. Condenação Brutal é um filme fraco que passa despercebido em sua filmografia, mesmo não sendo um fracasso financeiro.

Já entrando nos anos 90, Sly amarga um de seus maiores fracassos. Em Rocky V, ele tenta resgatar as origens de Rocky, abraçando novamente o drama, mas o público ainda tinha Rocky IV muito recente em suas mentes e não compra ideia, tornando o filme um fracasso tanto financeiro quanto de crítica.

Stallone e seu filho Sage, em Rocky V

Stallone e seu filho Sage, em Rocky V

Em 1991, Stallone não se esforça para melhorar e lança a péssima comédia Oscar – Minha Filha quer Casar, onde interpreta Angelo ‘Snaps’ Provolone, um mafioso regenerado que após atender o último pedido de seu pai (o grande Kirk Duglas), no leito de morte, promete deixar sua vida de gângster e se transformar em um homem de negócios honesto e respeitado, arranjando um marido para a sua filha mimada e escandalosa, que diz estar grávida do motorista. Novamente um fracasso que passa desapercebido em sua filmografia.

No ano seguinte, a fim de sacramentar a má fase, Sly decide seguir os passos de Sachwarzenegger que se deu bem em Um Tira No Jardim de Infância, e lança a comédia Pare Se Não Mamãe Atira. O filme se torna praticamente um clássico da Sessão da Tarde, mas também passa longe do sucesso de crítica e de público, mas nem tudo era era tristeza, Stallone ainda faria coisas bem legais nos anos 90.

Em 1993 as coisas melhoram, e chega aos cinemas um dos filmes mais legais do Sly, Demolition Man (O Demolidor). O filme se passa em San Angeles, uma união das cidades de Santa Mônica, San Diego e Los Angeles em 2032. John Spartan (Stallone), um detetive do século XX, é preso juntamente com Simon Phoenix (um assassino sanguinário vivido por um Wesley Snipes surtado, em uma de suas melhores performances), em 1996, acusado de ser o responsável pela morte de reféns de Simon. Eles passam anos na “Crio-Prisão”, uma prisão na qual o prisioneiro fica congelado até o final da pena. No ano de 2032, Simon Phoenix foge da prisão, diante de uma sociedade que até então desconhecia o crime e a desordem, Jhon Spartan é descongelado para caçar Simon Phoenix novamente. Uma prova de que o filme  é sensacional, é que também ganhou um FGcast, o FGcast# 36

Demolition Man

 Ainda em 1993, Stallone vive Gabe Walker, em Cliffhanger (Risco Total), um alpinista que depois de sentir-se culpado por um acidente de escalada que matou sua esposa, é convocado para procurar por um grupo desaparecido nas montanhas. Para piorar a situação, seu grupo de resgate é formado por pessoas perigosas que não gostam dele, e ele não sabe que a missão não envolve um simples resgate. O filme não repetiu o sucesso de O Demolidor, mas também é bem legal.

Stallone e Sharon Stone

Sly se dando bem

Em 1994, mais uma parceria marcante, Sly contracena com Sharon Stone em The Specialist (O Especialista), onde May Munro (Sharon Stone), uma mulher que teve os pais assassinados por um criminoso, conhece um especialista em bombas da CIA chamado Ray Quick (Stallone). A fim de se vingar, ela o convence a ajudá-la. O filme por si só não empolga, mas a química entre Sly e Sharon Stone o torna interessante.

Seguindo com parcerias marcantes nos anos 90, Stallone lança, em 1995, Assassins (Assassinos), onde ele e Antonio Banderas são assassinos profissionais contratados para matar um mesmo alvo, interpretado por Julianne Moore. No entanto, o personagem de Stallone acaba se envolvendo com o alvo. O filme é interessante pelas cenas onde Sly contracena com Banderas, mas deixa a sensação de que poderia ser bem melhor.

Ainda em 1995, Sly estrela sua primeira adaptação de quadrinhos, no criticado Judge Dredd (Juiz Dredd), um filme que não agradou os fãs da HQ, e nem os fãs do próprio Stallone.

No ano seguinte, Stallone se recupera do fracasso de Dredd, com o excelente Daylight, onde um acidente com veículos que levavam produtos químicos causa uma forte explosão que bloqueia as saídas de um túnel, em Nova Iorque deixando alguns sobreviventes  presos no meio da galeria do túnel, localizada a vários metros de profundidade abaixo de um rio. Stallone vive Kit Latura, um ex-bombeiro que precisa entrar no túnel e resgatar as vítimas antes que o ar se esgote, ou que o próprio túnel desabe. O filme prende o espectador com um drama tenso e envolvente, e vale conferir também Stallone atuando ao lado do filho Sage Stallone, que interpreta um dos sobreviventes.

Daylight

Daylight

Ainda em 1996, Sly abre mão da liberdade e se casa pela terceira vez, desta vez com a modelo Jennifer Flavin (com quem permanece até hoje), e no mesmo ano nasce Sophia Rose Stallone, a primeira filha do casal.

Stallone e Jennifer Flavin

Stallone e Jennifer Flavin

Em 1997, Sly aparece em Cop Land, ao lado de nomes como Robert Deniro, Ray Liotta e Harvey Keitel. Um filme excelente, com a melhor atuação de Stallone nos anos 90, mas infelizmente é mais um que passou desapercebido em sua filmografia.

Nos anos seguintes as coisas não foram fáceis para Stallone. Após o nascimento da segunda filha com Jennifer Flavin (Sistine Rose Stallone) em 98, ele ainda estrelou filmes como O Implacável, Alta Velocidade e teve algumas participações em filmes como Pequenos Espiões 3D, Taxi 3 e Formiguinhas, onde dublou um personagem, alem de se aventurar na TV, apresentando o reality show The Contender, onde 16 pugilistas lutavam entre si por um premio de 1 milhão de dólares, mas todos estes trabalhos passaram muito longe da relevância de seus trabalhos dos anos 80 e início dos 90. Com o lançamento de D-Tox, direto para DVD, tudo parecia ir ladeira a baixo e nos levava à acreditar que Stallone amargaria um fim de carreira no ostracismo do Home Video, como Dolph Lundgren, Van Damme e tantos outros. Mas como costuma lembrar Leandro Vallina, o #Slyéfod@.

Rocky Balboa

Stallone ressurge em Rocky Balboa

Em 2005, prestes a completar 60 anos de idade e em um péssimo momento da carreira, Stallone se torna piada ao anunciar a produção de um sexto filme da série Rocky e é esculhambado por todos os lados na mídia, mas  Sly, sabia o que estava fazendo e via no personagem que o consagrou, a chance de reerguer, o revisitando 15 anos após o fracasso de Rocky V.

Stallone Cachorro

Rocky e seu companheiro de treino

Com extrema inteligência e sensibilidade, Stallone (que escreveu, produziu, dirigiu e estrelou o filme) não procurou fingir ser o que não era, e traçou um claro paralelo a sua carreira, como em toda a série, mas em especial em Rocky – Um Lutador e neste, Rocky Balboa. Sly trouxe um Rocky extremamente maduro, com o peso das perdas de entes queridos, e conflitos pessoais reais que tocam o coração de quem assiste. O filme para a surpresa de todos na época, tem o drama convincente de volta, a dose certa de nostalgia e o que não poderia faltar, o treinamento, a luta e os discursos inspiradores que levam o espectador à ponta da cadeira.

Com o sucesso de crítica e de público, Stallone estava de volta, e se mostrou que ainda tinha pique para subir aos ringues e reviver Rocky, por que não reviver outro de seus grandes personagens?

John Rambo

Rambo IV

Em 2008, Stallone retorna com um 4º filme da franquia Rambo, sacramentando a sua volta de uma forma sanguinária, como se o personagem ressurgisse das cinzas, sob a direção do próprio Sly, que  novamente acerta ao reviver um personagem seu de sucesso.  John Rambo é intenso e mostra como o ator continuava firme e forte aos 62 anos de idade. Derramando mais sangue que a média dos filmes de terror da época, não é um filme para qualquer pessoa, mas sem dúvida, é excelente programa para quem curti um bom filme de ação. Mesmo não sendo um enorme sucesso comercial, definitivamente Sylvester Stallone estava de volta.

Após Rocky Balboa e Jhon Rambo, a nostalgia com o cinema de ação dos anos 80 estava em alta, e Stallone viu ali uma grande oportunidade. Uma vez que grandes nomes do cinema de ação amargavam o ostracismo, por que não reunir a velha guarda e todos se ajudarem ? Nasce ai a ideia de Os Mercenários, reunir grandes nomes do cinema de ação em um mesmo filme, algo que seria financeiramente  inviável (fora o conflito de egos, proporcional ao nível de testosterona da obra) 20 anos atrás.

Em 3 de março de 2009 Stallone, junto a produtores como Avi Lerner da início as negociações em busca dos grandes cascas grossas do cinema, e a princípio a lista de opções era vasta, mas logo de cara, grandes nomes não levaram Sly a sério e recusaram papéis no longa, como Jean-Claude Van Damme, Robert De Niro, Al Pacino, Ben Kingsley, Ray Liotta e Kurt Russel, além de Steven Seagal que agradeceu o convite, mas alegou problemas pessoais com o produtor Avi Lerner, mas nem tudo era tristeza, aos poucos os nomes começaram a aparecer.

Representando bem os anos 80, Stallone consegue Dolph Lundgren para o papel de Gunner Jensen (que manda bem demais e entrega um dos personagens mais legais do filme), para o vigor e credibilidade das cenas de luta, o lutador Randy Couture e o astro das artes marciais Jet Li, para um carisma a mais Terry Crews é escalado para o papel idealizado a  Wesley Snipes ( que estava em cana) e para fechar a equipe, o maior brucutu da atualidade, Jason Statham. O time estava completo mas a coisa ainda podia ficar muito maior, e ficou, quando Stallone consegue convencer Arnold Schwarzenegger e Bruce Willis a participarem do longa.

Como não poderia deixar de ser, um filme que trás Sylvester Stallone, Arnold Schwarzenegger e Bruce Willis contracenando juntos, já nasce clássico e merecedor de FGcast, o FGcast #11

Os Mercenários

Os Mercenários foi um sucesso, nem tanto de crítica (como a maioria dos filmes do gênero), mas de público. O filme teve um orçamento de 80 milhões de dólares e arrecadou cerca de 274 milhões, estabelecendo uma nova franquia.

A sequência foi anunciada logo de cara, e o sucesso do primeiro longa facilitou as coisas, trazendo todo o time de volta e abrindo as portas para Jean Claude Van Damme e Chuck Norris (que não aparecia em filme para o cinema desde 1996 em O Defensor). Repetindo o exito e sendo tão legal (ou mais) quanto o primeiro não poderia deixar de ter um FGcast, também,  tão  massa quanto, o FGcast #71.

Os Mercenários 2

Também em 2012, quando tudo parecia ir de vento em polpa para Sly, poucos meses antes do lançamento de Os Mercenários 2, seu filho mais velho, Sage Stallone de 36 anos, com quem já havia atuado em Rocky V e Daylight, é encontrado morto sem seu apartamento. Na época chegou-se a se a especular que ele tivesse tido uma overdose, mas o boletim preliminar do legista determinou que não haviam indícios de uso de entorpecentes e apontou como causa da morte uma “aterosclerose nas artérias coronarianas”, uma lesão das artérias que levam sangue ao coração e pode causar ataque cardíaco. “Quando um pai perde um filho não há dor maior. Por isso, imploro às pessoas que respeitem a memória do meu filho talentoso e sintam compaixão por sua amorosa mãe, Sasha. Sentiremos esta perda agonizante pelo resto das nossas vidas, Sage foi nosso primeiro filho e o centro do nosso universo”, disse Stallone em comunicado.

Sage Stallone - Funeral

Sylvester Stallone no funeral de seu filho

No ano seguinte, em 2013, Stallone impressiona, mostrando que se toma “bomba”, então “bomba” faz muito bem a saúde, ao demonstrar uma incrível boa forma física, aos 66 anos de idade, em Alvo Duplo, onde interpreta Jimmy Bobo, um matador de aluguel que se junta a Taylor Kwon (Sun Kang), um detetive da polícia de Nova Iorque, em busca de vingança pela morte dos respectivos parceiros. Apesar do bom momento de Stallone, o filme deixa a desejar, e não se saiu bem comercialmente e menos ainda de críticas, mas tratando-se do Sly, sempre vale conferir.

Bullet to The Head - Alvo Duplo

Sly em Alvo Duplo

Em 2013, Stallone ainda estrelaria mais dois filmes com viés nostálgicos. Em Escape Plan (Plano de Fuga), faz parceria com ninguém menos que  Arnold Schwarzenegger, o que acaba por não chamar tanta atenção, pelo fato de  terem já contracenado em Mercenários 1 e 2 nos anos anteriores, e o enredo do filme não ser nenhuma obra prima, mas pelo fato dos dois dividirem tela por muito mais tempo, o filma acaba se tornando extremamente divertido. Já em Ajuste de Contas a parceria é com Robert Deniro, estando frente a frente os interpretes de Rocky Balboa e Jake Lamotta (em Touro Indomável). Eles interpretam dois ex-lutadores, Billy “The Kid” McDonnen (De Niro) e Henry “Razor” Sharp (Stallone), que voltam aos ringues depois de 30 anos para se enfrentarem.

Para você saber se os filmes são bons, clique no poster e confira o “Saindo do Cinema”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

……………

Em 2014 Sly e sua equipe tentam levar Os Mercenários a um nível mais alto, com nomes como Wesley Snipes (finalmente livre dos problemas judiciais), Antonio Banderas, Harrison Ford e Mel Gibson, além do elenco que retornava, mas desta vez as coisas não se saíram tão bem. O objetivo de atingir um público mais jovem,  além do público saudosista, o que levou os produtores a uma série de “tiros no pé”, a começar pela classificação que foi PG-13, em um gênero onde um dos apelos principais é a violência, seguido de uma série de “jovens atores” como Kellan Lutz, sem o mínimo de carisma (a exceção da charmosa Ronda Rousey) que foram inclusos no filme para fisgar o tal público jovem, mas que no fim das contas acabaram por desperdiçar  tempo de tela em um filme com tantos grandes astros mal aproveitados, e para completar a má sorte, uma cópia do filme vazou três semanas antes do lançamento, estimasse que tenha sido baixada na internet mais de 2 milhões de vezes em uma semana, isso somado as pisadas na bola do roteiro, contribuíram para o boca a boca negativo que levaram o filme ao fracasso financeiro. Mas no fim das contas, por pior que fosse, os astros ainda estavam lá, e sendo assim sempre há seu mérito, por isso o Filmes e Games dissecou o filme em uma Vídeo Análise COMPLETA do longa que você confere aqui.

Elenco de Os Mercenários 3

Elenco de Os Mercenários 3

E quando menos se espera, após o excelente final dado ao personagem em 2006, Stallone volta a interpretar Rocky Balboa no, inesperavelmente bom, Creed: Nascido Para Lutar, onde Adonis Johnson (Michael B. Jordan), filho do grande Apollo Creed, que morreu no ringue antes de seu nascimento, decide seguir os passos do pai e vai para a Filadélfia buscar a ajuda de Rocky Balboa. O filme é dirigido pelo jovem Ryan Coogler, e parte de uma ideia, de certa forma, parecida com o fatídico Rocky V, mas aqui executada com extrema competência, com Stallone deixando de lado suas vaidades e entregando um Rocky Balboa ainda mais humano e sensível do que o de costume. O filme foi o reencontro de Sly com as boas críticas à sua, até então sempre esculhambada, atuação, lhe rendendo um Globo de Ouro de Melhor Ator Coadjuvante, um premio de redenção do Framboesa de Ouro e a comovente indicação ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante (premio que perdeu MUITO INJUSTAMENTE para Mark Rylance, que venceu por Ponte dos Espiões).

Vale lembrar também que Sly, além de suas atividades cinematográficas, leva muito a sério um de seus robis, a pintura, chegando a ter suas obras expostas no Museu de Arte Moderna da cidade francesa de Nice.

Stallone e sua obra

Stallone e sua obra

Atualmente Stallone trabalha em dois projetos, um deles é uma cinebiografia do violento mafioso Gregory Scarpa, conhecido como “O Ceifador”, e o que cria expectativa em torno deste, é que o roteiro está a cargo de Nicholas Pileggi, que junto à Scorsese, assinou os roteiros de Os Bons Companheiros e Cassino. Já o outro projeto é o aguardado Os Mercenários IV, onde, segundo o próprio Sly, espera corrigir os erros do terceiro filme, resgatando a violência e a nostalgia.

De bucha, ainda veremos Sly em Guardiões da Galaxia 2, em 2017, onde talvez volte a contracenar com seu companheiro de Tango e Cash, Kurt Russel.

1453229556_sylvester-stallone-rocky

Não deixe conferir

FGcast: Rocky um Lutador 

FGcast: Rambo: Programado Para Matar

FGcast: Rambo 2 – A Missão

FGcast: O Demolidor

FGcast: Os Mercenários

FGcast: Os Mercenários 2

Os Mercenários 3 – Vídeo Análise COMPLETA

E o embate definitivo entre Sylvester Stallone e Arnold Schwarzenegger no Queda de Braço #01.

 

 

Luiz Cobra
Um aficionado por cinema, quadrinhos e rock,n,roll

Luiz Cobra publicou 17 posts. Veja outros.

Publicidade

  • Podegoso Shumy

    excelente critica biografica. o Sly é tão lutador quando o seu alter-ego, Rocky Balboa.

    parabéns aos envolvidos pelo site!!

  • leandrovallina

    Caraca!!! Que texto completissimo e lindo, juro que fiquei emocionado ao ler, tinha alguns detalhes da vida do Sly que eu não sabia
    Parabéns mesmo Luiz Filho, eu imagino que deve ter dado uma trabalheira danada pesquisar tudo mas ficou show!!!
    Só digo três coisas
    #Slyéfoda
    #FgcasCobrajá
    Stallone poderia ser o Demolidor de Hell Kitchen facil kkk

  • César Augusto

    Parabéns a todos que passaram.

  • Fernando Braga Pinto

    Otimo texto, Sly é um lutador, batalhou muito pra chegar onde chegou.
    Infelizmente esse ano não foi vencedor do Oscar, fiquei frustrado pra caralho.
    Ele construiu uma linda carreira no cinema, seus filmes são otimos, estou curioso pra assistir Fuga para Vitoria, Rhinestone e Taberna do Inferno, ainda não assisti e tenho curiosidade.
    Meus filmes favoritos dele são Tango e Cash, O Especialista, Risco Total, as franquias Rocky, Rambo, Os Mercenarios e Rota de Fuga, ter Sly e Shwarza juntos no mesmo longa é espetacular, vi 3 vezes no cinema, ainda não vi Ajuste de Contas com Robert de Niro e a gostosa da Kim Basinger.
    Ler esse texto me emocionou muito pois sou fã dele como meu heroi de filmes de ação e como um ser humano que enfrentou muitos obstaculos na vida , perdeu um filho etc.
    Com todo respeito as filhas dele são gatissimas.
    As comedias que ele atuou são divertidas, eu curto muito Pare se não mamãe atira e Oscar.
    Sugestão de FG Cast, Cobra, O Especilista e Tango e Cash ja.