Warcraft: Durotan [Leitor Nerd]

Em Draenor, sob a sombra da Montanha do Grande Pai, entre a Serra do Fogofrio e as terras do sul, o forte, honrado e ferozmente livre clã Lobo do Gelo enfrenta invernos cada vez mais rigorosos… E caça talbuques e fenocerontes cada vez mais escassos. No entanto, um Lobo do Gelo não reclama. Cabe ao jovem líder Durotan manter seu povo unido em um dos momentos mais críticos de sua história. Contra a fome, o inverno rigoroso, a fúria dos elementos e os Andarilhos Vermelhos… Será possível?

durotan-wow

Quem escreve o prelúdio oficial do filme Warcraft é Christie Golden, aclamada por diversos romances dentro do Universo do jogo, como A Ruptura, Marés de Guerra, Crepúsculo dos Aspectos e Crimes de Guerra. Apesar da fama da autora, eu particularmente não gosto do seu estilo, que costuma ter furos de enredo críticos e um excesso de doçura e sentimentalismo que acabam descaracterizando certos personagens.

Em Durotan, Golden narra os acontecimentos que levam ao começo do filme, focando na ascensão do protagonista como líder do clã Lobo de Gelo e na sua busca por respostas e esperanças num mundo que está morrendo aos poucos. Quem assistiu ao filme sabe que o clã Lobo de Gelo se uniu à Horda tardiamente e com relutâncias, enquanto o romance mostra como eles batalharam por seu lar, como tentaram insistentemente encontrar algum pedaço de terra próspera – algo que um dia foi abundante em Draenor – e como este seleto grupo de orcs se aventurou até encontrar a única salvação para sua raça.

No filme Warcraft, conhecemos Azeroth, o mundo que os orcs invadem e planejam conquistar. Neste livro, o palco é Draenor em seus últimos dias, onde os filhotes já não nascem e as frutas perderam suas sementes. Aqui, os jogadores reconhecerão boa parte da paisagem, seja dos jogos clássicos de estratégia ou do contemporâneo MMORPG, e os espectadores conhecerão o antigo lar dos orcs e draeneis – o povo de pele azulada visto nas jaulas no começo do filme -, tirando o leitor do cenário padronizado de anões, elfos, grifos e lobos gigantes de Azeroth e apresentando um mundo ainda mais exótico, hostil e – infelizmente – moribundo.

frostwolfclan

E o elenco que desbrava tais terras inóspitas é tão audaz e resiliente quanto o mundo que habita. Durotan é um pouco mais jovem e inseguro sobre suas decisões, mas sábio o suficiente para contar com o apoio de sua mãe e do xamã do clã, conselheiros ausentes no filme, mas indispensáveis para a formação do protagonista como chefe guerreiro. Orgrim Martelo da Perdição, por sua vez, define uma relação de companheirismo e lealdade, ajudando a realçar a diferença entre um guerreiro e um líder. E a origem de Draka como uma exilada é revelada e o sentimento entre ela e Durotan é exposto e desenvolvido, mostrando como ela é importante tanto para seu clã quanto para o homem na liderança.

O livro Durotan oferece uma visão do fim de Draenor e da motivação dos orcs mais nítida e palpável, complementando o filme de forma eficiente e interessante. Porém, como dito anteriormente, Christie Golden imprime uma ternura e gentileza que não combina com os orcs vistos no cinema. É válido mostrar o lado sentimental e familiar dos orcs, mas o excesso de carinho e doçura entre Durotan e Draka destoa com a relação sólida e áspera em Warcraft. No filme, fica nítido que eles se amam sem precisar de um comportamento meigo. No romance, um povo tão bruto simplesmente não combina com delicadeza. Christie Golden não sabe representar o amor de uma forma que não seja clichê.

Por fim, Durotan adiciona personagens, localidades e fatos que enriquecem a história de Warcraft, sendo uma boa leitura para aqueles que gostaram do filme e querem conhecer mais do seu Universo tanto quanto para os fãs de Fantasia que desejam experimentar uma interpretação diferente de uma das raças mais icônicas do gênero.

durotan-livro-capa

Bernardo Stamato
Vencedor do Concurso Cultura "Eu, Criatura" da Devir Livraria, formado em Letras, professor de Game Design e 3D Fundamental na empresa Seven Game e escritor (http://entrevirtudesevicios.blogspot.com/). Quando dá tempo para respirar, lê e joga PS3 também.

Bernardo Stamato publicou 103 posts. Veja outros.

Publicidade