John Wick – Um Novo Dia Para Matar (John Wick: Chapter 2) – Crítica

Aprende Triplo X, só aprende, meu querido.

404753.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Após os acontecimentos do primeiro filme, John Wick (Keanu Reeves, De Volta ao Jogo) é obrigado a voltar para a vida de assassino de aluguel. Porém, após o término do serviço, John começa a ser caçado por inúmeros outros assassinos, adentrando cada vez mais neste universo banhado em sangue.

Na história do cinema, os melhores filmes de ação que conseguiam envolver tiroteios, perseguição, mas além de tudo, luta, sempre foram do cinema asiático. Não é à toa que grandes astros do cinema hollywoodiano que se destacaram pelas suas habilidades eram asiáticos. Donnie Yen, Tony Jaa, Jet Li, Jackie Chan e até mesmo o mestre Bruce Lee e o diretor fantástico John Woo. Ainda existem filmes que mantém esse mérito como Operação Invasão e The Raid 2.

John Wick 2 é um filme hollywoodiano, mas desde o seu primeiro filme eram claras as influências asiáticas na parte de luta e direção. Dirigido por Chad Stahelski, este que também comandou o primeiro filme, mas começou a carreira como dublê e passou a ser coreógrafo de lutas, John Wick 2 é uma obra da ação.

Mas não se engane que aqui não temos um Mad Max: Estrada da Fúria no qual o filme se baseia todo em perseguições de carro e explosões. Aqui é outro segmento da ação.

343775.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Em John Wick nós tínhamos um filme simples e que testava certas coisas. A forma de direção, as muitas sequências de luta e tiroteio agradaram e resolveram elevar à décima potência tudo. John Wick 2 é muito mais rico, tem mais história, tem mais ação e tem um universo que pouco havia sido explorado no primeiro, agora sendo aproveitado até a última gota.

Existem novas regras neste submundo de assassinos, e durante boa parte do filme (tirando a primeira sequência que é de tirar o fôlego ligando com o filme antecessor) este universo nos é apresentado. O filme segue sem pressa, mostrando cada novo segmentado, o conflito de Wick para esta nova missão e então o estopim que faz toda a ação desencadear.

Assim como Triplo X, John Wick 2 sabe que ele é um filme que não deve ser levado a sério. Existem influências fortes de Kingsman, como um alfaiate que faz ternos a prova de balas, e até mesmo diálogos que ironizam aquilo, mostrando que tudo é uma brincadeira e também que a comédia, mesmo sendo em poucos momentos, funciona de forma perfeita. O drama e tensão também são trabalhados de forma muito boa. Mesmo que o filme te mostre que tudo aquilo não é para ser levado a sério, o filme ainda consegue fazer com que o espectador o respeite, sem deixar a “galhofa” tirar a experiência e tensão dos momentos precisos.

E a direção de Chad Stahelski é incrível. Influências claras de filmes asiáticos, com planos abertos e longos nas horas de luta e em momentos sensacionais que mesclam isso com tiroteios. Além do que o filme não abusa de uma edição de cortes frenéticos e descontrolados. É um filme visualmente perfeito e que deixa você entender cada porrada bruta ou cada gotinha de sangue voando após um tiro na cabeça dado por John Wick. Um adendo importante é que este filme é extremamente violento.006747.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Com um elenco fantástico, aqui é que estão os reais problemas. Keanu Reeves incorpora John Wick novamente, e está muito bem. É evidente que Reeves teve treinamento para o seu papel. A forma como ele age nas cenas de luta, nos tiroteios e ainda mais como ele utiliza as armas é algo claro de que houve muita dedicação. Em alguns momentos na atuação dramática rola aquela reação meio estranha do ator, mas o que incomoda é quando Reeves não fala inglês.

Em alguns momentos temos diálogos em italiano e outras línguas, e o filme tem a coragem de fazer os atores falarem a língua. Mas sai estranho e não natural.

Mas de resto todos estão bem. Ainda temos Common, John Leguizamo, Laurence Fishburne, Riccardo Scamarcio, Lance Reddick, Ian McShane e Ruby Rose.

A fotografia do filme é ótima, principalmente nas partes de luta, e a trilha sonora frenética, mas controlada, faz com que você vibre e sinta o impacto de cada porrada de John.

412008.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

John Wick – Um Novo Dia Para Matar é um explosivo, frenético e magnífico filme de ação. Aqui você encontra de tudo, desde uma história decente a um universo fantasioso convincente que te traz lutas sanguinárias, tiroteios e perseguições mortais. É um filme obrigatório a todos que amam filmes de ação. E para você que acha que Triplo X é algo bom, veja John Wick e descubra algo com real qualidade.

Nota do Autor: 9.5
Nota do público:(20 votos) 5.8
Dê a sua nota:

Trailer:

Arthur Lopes
Canal pessoal - Marmota Frita Fanático por cinema e video games em geral desde sempre, estuda administração mas seu verdadeiro amor permanece no mundo da sétima arte. Ama qualquer gênero cinematográfico, indo de romance até terror mas com preferência no drama, o que fez com que Batman - O Cavaleiro das Trevas se tornasse o seu filme favorito, consagrando Nolan como o mesmo. Mas também admira outros mestre do cinema como Eastwood e Tarantino. Escreve nas horas vagas e está adaptando um conto no intuito de transforma-lo em um roteiro para longa-metragem.

Arthur Lopes publicou 264 posts. Veja outros.

Publicidade