Lemony Snicket – Desventuras em Série (Lemony Snicket’s A Series of Unfortunate Events) – Crítica

Mais ou menos dessa vez, Netflix.

11401261_10204167443322437_8700513691998647746_n

Após se tornarem órfãos, os irmãos Baudelaire são enviados para o seu novo guardião legal, o excêntrico e maléfico Conde Olaf (Neil Patrick Harris, Série How I Met Your Mother), homem que irá arrancar a fortuna herdada pelos irmãos de qualquer jeito. Porém, Conde Olaf não sabe que os órfãos são gênios, cada um de certa maneira, e não farão com que isso seja fácil.

Desventuras em Série é uma série de livros, divido em treze para ser exato, e escrito pelo pseudônimo de Daniel Handler, Lemony Snicket. Também foi adaptada em um filme em 2004, estrelado por Jim Carrey.

Porém, obviamente, uma série tem muito mais tempo para desenvolvimento e adaptação, o que faz com que a série da Netflix seja algo bem mais fiel. Porém, não quer dizer que seja melhor.

301468.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Utilizando muito de aventura, drama, comédia e um tanto de suspense, Desventuras em Série acaba sendo uma montanha russa com muitas qualidades e muitos defeitos. No geral, a série é bem contada, adaptando quatro livros apenas nessa temporada, um a cada dois episódios, e ela consegue instigar o espectador com o que irá acontecer nos episódios seguintes e tudo mais. No entanto, ela é cansativa ao mesmo tempo. O ritmo da série muito mórbido e se arrasta durante muito pedaços, creio que seja justamente pela necessidade de adaptar tudo fielmente.

Outras escolhas são um tanto quanto exóticas, como inserir o narrador como um personagem que aparece, coisa que não funciona, quebra o ritmo direto, cansa quem está assistindo, o que poderia ter servido melhor se fosse feito menos vezes, e apenas com uma narração por cima. Mas algo que incomoda é a série não saber a quem agradar, crianças ou adultos. Aqui nós temos coisas extremamente infantis, como temos coisas extremamente tenebrosas. Porém, a série trata como um extremo e nunca deixa claro que público quer agradar, o que é ruim. No entanto, a comédia funciona, por mais que seja muito infantil as vezes dependendo do personagem, e um humor negro ácido em outros. Assim como a constante sensação de aventura, os inúmeros lugares em que os irmãos vão são instigantes e únicos, nunca repetindo a mesma sensação de um lugar em outros.

Mas ao mesmo tempo que a direção de arte é legal e corresponde com o filme todo, os efeitos especiais são horríveis. Em específico na parte da “Sala dos Répteis” e “O Lado das Sanguessugas” temos algo que é completamente digital, e um digital bem feio.

299593.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

O elenco também possui altos e baixos. Como o produtor e estrela da série, temos Neil Patrick Harris. Digamos que Neil esteja bem, se esforçando como Conde Olaf e cada personagem que Conde Olaf interpreta, mas o que incomoda é ver que temos uma pessoa inteiramente maquiada, sendo bem visível isso, ao contrário do que foi feito com Jim Carrey que viveu o mesmo personagem e teve o mínimo de maquiagem apenas para caracterizar o ator, tornando mais natural e tendo mais carisma que Neil. As crianças são fantásticas! Louis Hynes como Klaus, Malina Weissman como Violet e Presley Smith como Sunny. Baita bebê fofo! Ainda temos Patrick Warburton como o narrador, Joan Cusack como a Juíza Strauss, Will Arnett e Cobie Smulders como personagem que não posso dizer, e K. Todd Freeman como Mr. Poe, um personagem que é para ser engraçado e é apenas irritante e chato, e também Alfre Woodard como Tia Josephine, uma personagem que só grita durante dois episódios seguidos em uma sequência de overactings.

A fotografia é muito boa, criando um ar tenebroso para os lugares, assim como outros que são maravilhosos. Tudo é bem cartunesco também, não só as atuações em si, então não temos a sensação de que é algo real, mas é proposital isso e funciona bem pra caramba.

E por fim temos uma trilha sonora boa, instrumental e original, que compõe bem toda a série.

214184.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Lemony Snickets – Desventuras em Série, é uma série bacana, mas nada além disso. Muita coisa na sua produção funciona, assim como falha miseravelmente. Destaque em especial para as crianças que carregam nas costas a série, e sua direção de arte. Porém, por mais que tenhamos a sensação de aventura durante toda a série, de que aquilo chegará em algum lugar, a série se arrasta, cansa e entedia muitas vezes. Nem sempre podemos acertar em cheio Netflix.

Nota do Autor: 6.5
Nota do público:(3 votos) 4.1
Dê a sua nota:

Trailer:

Arthur Lopes
Canal pessoal - Marmota Frita Fanático por cinema e video games em geral desde sempre, estuda administração mas seu verdadeiro amor permanece no mundo da sétima arte. Ama qualquer gênero cinematográfico, indo de romance até terror mas com preferência no drama, o que fez com que Batman - O Cavaleiro das Trevas se tornasse o seu filme favorito, consagrando Nolan como o mesmo. Mas também admira outros mestre do cinema como Eastwood e Tarantino. Escreve nas horas vagas e está adaptando um conto no intuito de transforma-lo em um roteiro para longa-metragem.

Arthur Lopes publicou 258 posts. Veja outros.

Publicidade