Liga da Justiça (Justice League) – Crítica

My Man!!!

Após os acontecimentos de Batman Vs. Superman, uma força maligna vem à Terra em busca das Caixas Maternas, estas que quando juntas podem oferecer um poder inimaginável. Sendo assim, Batman (Bem Affleck, Batman Vs. Superman) e Mulher Maravilha (Gal Gadot, Mulher Maravilha) buscam outras pessoas com poderes, para que juntos formem uma equipe para destruir o maligno Lobo da Estepe.

Como eu sempre digo, a DC tem tido altos e baixos. Ela começou seu universo cinematográfico com Homem de Aço, um filme que gosto muito mas divide opiniões. Em seguida ela lançou o tão polêmico Batman Vs. Superman, filme que também gosto muito, mesmo sabendo dos defeitos, seguido do desastroso Esquadrão Suicida e do muito bom Mulher Maravilha.

E agora vem o filme mais polêmico já feito por ela, já que novos heróis seriam introduzidos na trama sendo que nunca os vimos. Diferente da fórmula Marvel que apresentou todos seus heróis para depois juntá-los.

Pois eu digo que sim, Liga da Justiça funcionou bem, e muito bem!

Sobre erros cometidos em Batman Vs. Superman na inserção de novos heróis, eu já afirmo que aquilo foram erros que a DC percebeu e simplesmente os ignorou, deixando de lado e corrigindo à sua maneira com furos no roteiro mesmo e sem nos dar satisfação. Mas admito que talvez tenha sido a melhor alternativa mesmo.

Mas sobre o filme eu só posso dizer que esse é o filme mais redondo do Universo DC. Esse é um filme que exige do seu anterior (principalmente da versão estendida), mas em si possui um começo, meio e fim.

É evidente que a DC ainda está achando seu jeito de fazer filmes. Inicialmente seu foco era o lado mais sombrio, mas notamos agora que eles estão cedendo à um modo mais leve e família. O filme tem muitas piadas com alívios cômicos, principalmente vindos de Flash e Aquaman. Mas nem por isso os outros deixam de fazer piadas, porém isso não quer dizer que todas funcionam. Até mesmo o Batman faz piadas aqui, mas todas são bem ruins.

O filme apela para um excesso de frases de efeito que não se enquadram no filme, e talvez o maior defeito para mim seja ainda a falta de personalidade. Aqui nós temos um filme mais família e descontraído, mas ele ainda tem aquela áurea escura e sombria dos filmes anteriores, o que acaba ficando bem desconexo. Mas de resto, o filme todo funciona bem.

Eu gosto muito de Zack Snyder, principalmente da sua estética, e custo arriscar que Liga da Justiça seja seu trabalho mais bonito junto de Watchmen. As cenas de ação são excelentes, e há sequencias maravilhosas como uma no começo em que é focado nas amazonas. E se prepare para os easter eggs, pois este filme está recheado deles. E não se esqueça das cenas pós-créditos!

E no elenco nós temos os nomes milionários de sempre, com algumas novas adições. Bem Affleck como Batman, Gal Gadot como Mulher Maravilha, Jeremy Irons como Alfred, Diane Lane como Martha Kent, Amy Adams como Lois Lane e agora Ezra Miller como Flash, a melhor introdução entre os personagens novos. Ray Fisher como Ciborgue, um personagem que não me cativou e que recebe mais destaque do que deveria, e o infelizmente apagado, Jason Momoa como Aquaman.

A fotografia é muito boa e como dito, o filme continua sombrio e escuro. Mas é impressionante como as cores estão mais vivas, uniformes mais coloridos, vilões menos cinzentas, e cenas extremamente bem conduzidas por Zack Snyder.

E a trilha sonora de Danny Elfman extremamente boa e que compõe o filme todo com maestria.

Liga da Justiça tem seus altos e baixos, mas no geral, ele é bom! O interessante aqui é notarmos que esse ainda se trata de um filme de adaptação. A DC ainda está encontrando seu perfil, como contar suas histórias e que abordagens usar. Não é meu filme favorito de seu universo e não considero o mais corajoso, mas é um filme redondo com uma história legal e divertida como qualquer filme de super herói deve ser.

Nota do Autor: 7.5
Nota do público:(16 votos) 6.9
Dê a sua nota:

Trailer:

Arthur Lopes
Canal pessoal - Marmota Frita Fanático por cinema e video games em geral desde sempre, estuda administração mas seu verdadeiro amor permanece no mundo da sétima arte. Ama qualquer gênero cinematográfico, indo de romance até terror mas com preferência no drama, o que fez com que Batman - O Cavaleiro das Trevas se tornasse o seu filme favorito, consagrando Nolan como o mesmo. Mas também admira outros mestre do cinema como Eastwood e Tarantino. Escreve nas horas vagas e está adaptando um conto no intuito de transforma-lo em um roteiro para longa-metragem.

Arthur Lopes publicou 264 posts. Veja outros.

Publicidade